sexta-feira, 17 de junho de 2011

O que é Pecado Mortal?



Olá, que bom estarmos juntos!
Estou feliz por clicar aqui, temos muito que conversar!
Dado seguimento ao apelo do Espírito Santo sobre a necessidade da confissão frequente para nossa santificação, hoje vou postar outro artigo de Santo Afonso Maria de Ligório sobre o pecado mortal.
Quer ser livre?
O pecado nos escraviza...precisamos conhecer o que nos escraviza.
Neste mundo onde o pecado perdeu o sentido, onde tudo parece ser permitido em nome da felicidade, nós cristãos temos o desafio de mostrar qual é a verdadeira liberdade!
Ontem, no meu grupo de oração, uma amiga querida, uma linda mulher de Deus, trouxe para nós um testemunho que tocou o coração de todos.
Passando por sérios problemas pessoais, ela se viu totalmente desesperada. Temendo fazer uma loucura, pensou, preciso me confessar hoje.
Entretanto, como era segunda-feira, a dificuldade de se encontrar um padre para atender era muito grande. Então ela lembrou de procurar um sacerdote da Òpus Dei, que atende toda segunda e quarta com hora marcada, aliás, este sacerdote é também o meu diretor espiritual.
Como não tinha marcado hora, arriscou ir até a obra, na esperança do Padre atendê-la depois de ouvir a confissão de todas.
Mas, por providência de Deus, quando ela chegou, a pessoa que tinha marcado hora não apareceu, ela foi imediatamente atendida.
Desde já sentiu-se imensamente amada por Deus e, ainda, percebeu o quanto é precioso o Sacramento da Confissão para nossa santificação.
Diante do sacerdote, pode abrir o seu coração, como que despejando mesmo, aos pés de Jesus toda a sua dor. Chorou, queixou-se, suplicou ajuda.
O Padre pacientemente a ouviu em silêncio (como ele sempre faz comigo também) e depois como que por um milagre, foi aconselhando-a a ser livre!
Mas o que é isto? Ela sofrendo tanto e o padre tem a ousadia de dizer que ela precisa ser livre?
Sim, queridos irmãos, ser livre do seu amor próprio, do seu sofrimento, sabendo que tudo concorre para o bem daqueles que amam a Deus, abandonar-se na Providência, entregando tudo a Deus, com orações e suplicas e, ainda, ação de graças exatamente pela oportunidade de sofrer para salvar-se. Indicou um livro sobre a virtude da Paciência, tão necessária para nós, cristãos, que vivemos provações pela fé.
A virtude da paciência na verdade, diz respeito a espera do auxilio divino no momento oportuno, que nem sempre é o que eu espero e desejo.
Deus sabe o momento certo de intervir em nossa vida, a virtude da paciência, enfim, nos ajuda a saber esperar com alegria este momento.
Ensinou-a o livro que todas as vezes que  sentir o desespero tomar conta do seu coração, afastar-se e procurar silêncio e rezar pausadamente, sentindo cada palavra, a oração do Pai Nosso. Deus se encarregará de trazer de volta a paz e a alegria ao seu coração!
Ela experimentou e aprovou!
Para completar, Deus nos falou em Filipenses 4, 4-7 : "Alegrai-vos sempre no Senhor! Repito: alegrai-vos! Que a vossa moderação se torne conhecida de todos os homens. O Senhor está próximo! Não vos inquietes com nada; mas apresentei a Deus todas as vossas necessidades pela oração e pela súplica, em ação de graças. Então a paz de Deus, que excede toda a compreensão, guardará os vossos corações e pensamentos, em Cristo Jesus."
Foi o que ela viveu, literalmente!
E você, quer experimentar esta paz através do fruto do perdão recebido no Sacramento da Confissão?
Vamos lá, coragem!
Aprenda com Santo Afonso!
PAZ

Pecado Mortal

Por Santo Afonso Maria de Ligório



1. Considera como, tendo sido criado por Deus para amá-Lo, com infernal ingratidão te rebelaste contra Ele, tratando-O como inimigo, desprezando sua graça e amizade.Tu sabias que com aquele pecado Lhe causavas amaríssimo desgosto, e não obstante cometeste-O.Como procede quem peca? Volta a Deus as costas; deixa de O respeitar, levanta a mão para O ferir, e tortura seu divino coração.O homem, quando peca, diz a Deus com as suas obras: Afasta-Te de mim, não Te quero obedecer, nem servir, nem reconhecer por meu Senhor, nem ter por meu Deus.O meu Deus é o prazer, o interesse, a vingança.

Tal foi a linguagem do teu coração, quando preferiste a Deus a criatura.Santa Maria Madalena de Pazzi não podia acreditar que um cristão foste capaz de cometer um pecado mortal com plena advertência.E tu, querido leitor, que dizes!Quantos pecados não tens cometidos já!Perdoa-me, meu Deus, e tende piedade de mim.Eu Vos ofendi, ó Bondade infinita.Detesto os meus pecados, amo-Vos, e arrependo-me de ter caído na torpeza de Vos injuriar, ó meu Deus, digno de infinito amor.
2. Considera como Deus te falava, quando pecavas: Meu filho, eu Sou o teu Deus, que te criei do nada, e remi com o meu sangue: Eu proíbo-te sob pena de incorreres no meu desagrado, que cometas este pecado.Mas tu, pecando, dizias a Deus: Senhor, eu não quero obedecer-Te, quero satisfazer meus apetites, e é me indiferente desagradar-Te, perder a Tua graça.Eis aqui, ó meu Deus, o que eu tenho feito tantas vezes.Como tendes podido sofrer-me?Oxalá eu tivesse morrido antes de Vos ter ofendido.De agora em diante não quero desgostar-Vos mais.Quero amar-Vos, ó Bondade infinita! Dai-me a perseverança, dai-me o Vosso santo Amor.

3. Considera que, quando os pecados chegam a um certo e determinado número, Deus abandona o pecador.Por isso, se te vires tentando a pecar de novo, ó meu irmão, não digas: Confessar-me-ei depois; porque, se Deus te fizer morrer então repentinamente, se Deus te abandonar, é fora de dúvida que não te confessaras; e em tal caso, que será de ti por toda a eternidade!Eis o motivo porque tantos homens se tem condenado.Estes também esperavam o perdão; mas a morte surpreendeu-os, e perderam-se.Teme que te sobrevenha a mesma calamidade, porque não merece misericórdia quem se serve da bondade de Deus para O ofender.

Depois de tantos pecados que Deus te tem perdoado, deves com razão temer que não te perdoe mais, se reincidires no caminho do mal.Dai-Lhe graças por haver te esperado até agora, e faze neste momento o propósito firme de sofrer antes a morte que cometer outro pecado mortal, dizendo sinceramente: já bastam, Senhor, as ofensas que Vós tem feito; a vida que me resta não a quero eu empregar em ofender-Vos, a Vós que O não mereceis.Quero empregá-la só em amar-Vos e em chorar as ofensas que vos tenho feito.Arrependo-me, meu Jesus, de todo o meu coração; quero amar-Vos; dai-me forças para Vos amar.Maria, minha Mãe, auxiliai-me.

Nenhum comentário:

Postar um comentário