quinta-feira, 14 de novembro de 2013

SEIS PRESCRIÇÕES DE DOM BOSCO PARA ALCANÇAR A SALVAÇAO

Olá queridos,
Continuando o mesmo pensamento do post passado, segue alguns conselhos de Dom Bosco, para o nosso próprio bem e para nossa salvação!
Sinceramente, fiquei encantada com tamanha simplicidade e sabedoria!
Veja, não é tão difícil assim buscar o bem...
Busque-o, com toda a força do seu coração e da sua alma e, com certeza, será feliz!
A PAZ!



Nascido em 1815, São João Bosco foi um homem de inteligência extraordinária, charme e força física - dons que ele usou exclusivamente para servir ao próximo num esforço contínuo de ganhar almas para Deus, especialmente a dos meninos. Ele fundou o Oratório de São Francisco de Sales, uma escola e refúgio para as crianças que ajudava, e, 1859, uma congregação dedicada à educação católica.

O estilo de ensino dele era cândido, simples, mas com uma grande visão. Nesse âmbito, vou apresentar aqui o que ele chamada de "medicina para a alma". A simplicidade e eficácia dessas "prescrições" nos lembra aqueles velhos remédios caseiros feitos pelas nossas mães ou avós. Eles ajudam jovens e velhos indistintamente.

I prescrição: Dê a Deus a maior honra e glória possível com toda a sua alma. Se você tem um pecado na sua consciência, remova-o o mais rápido possível por meio de uma boa confissão.

II prescrição: Nunca ofenda ninguém. Acima de tudo, esteja disposto a servir aos outros. Demande mais de si mesmo que de seu próximo.

III prescrição: Não confie naqueles que não têm fé em Deus e que não obedecem aos seus mandamentos. Aqueles que não têm escrúpulos em ofender a Deus e que não dão a Ele o que deveriam, não terão barreiras para ofender você e trair sua confiança quando for conveniente.

IV prescrição: Se você não quer cair na ruína, nunca deverá gastar mais do que ganha. Tenha sempre isso em mente e examine suas verdadeiras condições com afinco.

V prescrição: Seja humilde. Fale pouco de si e nunca louve a si mesmo diante de ninguém. Aquele que louva a si, mesmo quando tem um mérito verdadeiro, arrisca-se a perder a boa impressão causada aos outros. Aquele que busca apenas glória e honra tem certamente uma cabeça vazia alimentada apenas pelo vento... não terá paz de alma e não será confiável em suas iniciativas.

VI prescrição: Carregue sua cruz nas suas costas e aceite-a da maneira que é, pequena ou grande, venha ela de amigos ou inimigos ou de qualquer outra origem. O mais inteligente e feliz dos homens é aquele que, sabendo que ele está condenado a carregar a cruz ao longo da vida, de bom grado aceita resignadamente o que Deus lhe enviou.

Promessa de felicidade

D. Bosco conclui: "Caro amigo, eu sou um homem que ama a alegria, e que, portanto, deseja vê-lo e a todo mundo feliz. Se você fizer o que eu digo, vai ser alegre e feliz de coração"

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

PARA SER FELIZ!

Olá, queridos amigos!
Hoje vou postar um Caminho de Felicidade traçado por Santo Antonio Maria Claret, que é os Deveres de estado que cada pessoa precisa buscar e praticar.
Se cada pessoa, na verdade, cumprisse integralmente aquilo que Deus espera dela, no estado em que escolheu para sua vida, ou que está vivendo, com certeza, tudo concorria para o bem de todos.
Insisto em dizer que o exemplo e ensinamento dos Santos são grande tesouro de Nossa Igreja Católica que nos indica o Caminho para ser feliz!
Os Santos viveram este Caminho e alcançaram a graça, porque não seguir seus passos?
Nossa Igreja tem tantos santos e santas e, realmente, não é possível que você não encontre um, cuja vida possa tocar o seu coração. Comece com o Santo padroeiro, cuja festa acontece na data do seu nascimento, ajuda muito e diz muito. Ou, então, o Santo cujo nome de batismo você homenageia, também é um sinal de predileção.
De qualquer forma, o importante mesmo, é que você sele uma amizade profunda com um Santo e tenha Ele com uma poderosa ajuda no Caminho de volta para o céu!
Espero que estes conselhos de Santo Antonio Maria Claret te seja útil, como o foi e é para mim!
A PAZ!

DEVERES DO ESTADO:


OBRIGAÇÕES DOS CHEFES DE FAMÍLIA

1- Sustentar a família conforme o próprio estado.
2- Não dissipar os bens da família em jogos nem em vaidades.
3- Pagar pontualmente o ordenado aos criados, jornaleiros.
4- Vigiar sobre os costumes de seus filhos e dependentes.
5- Procurar que frequentem a palavra de Deus e os santos Sacramentos.
6- Corrigí-los com prudência.
7- Castigá-los sem paixão de ira etc.
8- Tratá-los com benevolência.
9- Tê-los ocupados.
10- Assistí-los em suas doenças.
11- Edificá-los com o bom exemplo.
12- Encomendá-los a Deus, e proporcionar-lhes bons mestres, patrões etc.
13- Procurar a devida separação entre filhos e filhas, e pessoas de diferente sexo.
14- Não admitir pessoa alguma que possa, com suas conversações, ou de qualquer outra maneira, ser motivo de escândalo à família.

OBRIGAÇÕES DOS FILHOS E DEPENDENTES

1- Olhar e considerar os pais e patrões como representantes de Deus.
2- Amá-los de coração.
3- Respeitá-los devidamente e falar bem deles, tanto em sua presença como em sua ausência.
4- Obedecer-lhes com prontidão.
5- Serví-los com fidelidade.
6- Socorrê-los em suas necessidades.
7- Sofrer seus defeitos, calando sempre.
8- Rogar a Deus por eles.
9- Ter cuidado das coisas de casa.

OBRIGAÇÕES DOS MARIDOS

1- Amar a sua mulher,como Jesus Cristo a Igreja.
2- Não desprezá-la, porque é companheira inseparável.
3- Dirigi-la como inferior.
4- Ter cuidado dela,como guarda de sua pessoa.
5- Sustentá-la com decência .
6- Sofrê-la com toda paciência.
7- Assisti-la com caridade.
8- Corrigi-la com benevolência.
9- Não maltratá-la com palavras nem obras.
10- Não fazer nem dizer coisa alguma diante dos filhos , ainda que pequenos, que possa ser para eles motivo de escândalo. 

OBRIGAÇÕES DAS ESPOSAS

1- Estimar o marido.
2- Respeitá-lo como a sua cabeça.
3- Assisti-lo com toda a diligência.
4- Ajudá-lo com reverência.
5- Responder-lhe com mansidão.
6- Calar quando estiver zangado e enquanto durar a zanga.
7- Suportar com paciência seus defeitos.
8- Repelir toda a familiaridade.
09- Cooperar com o marido na educação dos filhos.
10- Não desperdiçar as coisas e os bens da casa.
11- Respeitar os sogros como pais.
12- Ser humilde com as cunhadas.
13 -Conservar boa harmonia com todas as pessoas da casa.



sexta-feira, 16 de agosto de 2013

TOTUS TU MARIA!


Olá amigos em Deus!

Que o amor de Nossa Senhora te impulsione hoje e sempre a amar e buscar cada vez mais Seu Filho e Nosso Senhor Jesus!
Ontem, festa da Assunção de Nossa Senhora ao céu, foi o grande dia em que eu e algumas irmãs de fé decidimos, por livre espontânea vontade a ser escravas de Jesus pelas mãos de Maria!
Foi um dia de grande festa e alegria, não só para nós, mas como percebemos, para o céu também!
Começou com o testemunho que contei sobre Nossa Senhora do Perpétuo Socorro no último post e de como me senti abraçada por Ela. Mas também senti que este abraço da Mãe de Deus não era só para mim, mas para todas as minhas irmãs que juntamente comigo fizeram a preparação de 30 dias e aguardavam ansiosamente por este momento.
Chegamos na Igreja no horário de sempre as 14 hrs e logo já começamos a arrumar o nosso altarzinho que ficou lindo com tantas imagenzinhas de Nossa Senhora, cada uma na invocação escolhida pela consagrada.
Estavam lá as imagens de Nossa Senhora de Fátima, de Lourdes, do Pilar, do Rosário, Perpétuo Socorro, Auxiliadora, Aparecida, Imaculada Conceição, Nossa Senhora da Penha, do Carmo... muito lindo.
Cada uma das consagradas foi escolhida pela Mãe, cada testemunho lindo, sobre esta escolha. Algumas das Consagradas (como eu, por exemplo) a vida inteira propagaram e foram devotas de uma certa invocação de Nossa Senhora e para esta consagração, a escolha foi outra, escolha que foi feita por sinais marcantes e visíveis que por amor Nossa Mãe enviou. Uma delas, sem entender o porque, resolveu pesquisar sobre a aparição e percebeu o quanto lhe falava as mensagens de Nossa Senhora nesta determinada invocação.
Abir mão do próprio sentimento começou ai, em aceitar esta nova devoção proposta pela Mãezinha pelos sinais que enviou. Mas também é maravilhoso abrir-se a estes sinais e receber a alegria do próprio Imaculado Coração.
Segundo nos propõe São Luiz Monfort, no Tratado da Verdadeira Devoção da Santíssima Virgem, depois de fazer um caminho de 30 dias preparatório, escrevemos de próprio punho a Oração de Consagração, assinamos, e depois oferecemos a Jesus presente no Sacrário e, nós, queimamos para que a fumaça leve este nosso compromisso assinado e escrito junto ao Trono da Graça.
Então, quando as irmãs foram chegando, algumas ainda não tinham escrito a consagração, e depressa pegando o papel e escrevendo, o silêncio que pairou na Igreja, foi fecundo e maravilhoso.
Eu mesmo me sentei na escada do altar para escrever a minha e cada palavra que copiava da Consagração feita por São Luis Maria, meu coração se enchia de uma alegria profunda e de uma certeza ainda maior da opção que estava fazendo. No momento em que assinei e coloquei data, renovando esta consagração que fiz pela primeira vez em 2008, encheu o meu coração de uma certeza absoluta: Não importa as consequências desta consagração, eu quero fazê-la de todo o meu coração, com todo meu amor, com todo o meu entendimento, com toda a minha alma, com toda a minha inteligência, por minha livre decisão!
Muito bom, mesmo!
As 15 hrs, hora da Misericórdia, Padre Arthur chegou e perguntou: "Ela (eu) me falou que hoje vocês estão em festa e que vão se consagrar a Nossa Senhora? Vocês estão fazendo isto pelo desejo que têm de andar pelos Caminhos do Senhor, sem se desviar?"
E nós respondemos: "Sim padre, de todo o nosso coração!"
Então ele disse que quando estava no seminário e vinha para casa em visita, sua mãe em latim dizia: "Vejam todos o Arthur chegou!"
Querendo nos dizer que a Mãe nos apresenta o Filho sempre e é colaboradora da sua missão! Realmente Padre Arthur foi a presença de Jesus em nosso meio ontem!
Ele comentou que coincidentemente ele havida lido no jornal uma critica feita por um protestante ao Papa Francisco  por ter beijado e abraçado a imagem de Nossa Senhora Aparecida... e acrescentou, "coitado, ele não sabe o que é ter uma Mãe". E nos alertou "não fiquem triste se algumas pessoas criticarem vocês por amar Maria, ter muita devoção a Nossa Senhora é coisa muito boa, vocês estão no caminho certo!"
Depois de nos explicar um pouco sobre a missão de Nossa Senhora, nos deu, segundo ele mesmo falou "uma benção especial de Nossa Senhora", e, ainda, abençoou todas as imagenzinhas que estavam no altar para que façam o papel de nos lembrar sempre deste compromisso assumido diante do Sacrário.
LINDO!
Quando ele saiu, sugeri que em poucas palavras cada uma partilhasse seu testemunho dos 30 dias de preparação e da decisão... e foi maravilhoso. Como o Espírito Santo é delicado, como Ele fala em tantas línguas, segundo o momento e a vida de cada uma... foi mesmo um bálsamo... E conforme eu ouvida o Espírito Santo em meu coração falou que nossas vidas estavam sendo "costuradas" e "unidas" pelas Mãos de Maria por toda eternidade e que devemos contar sempre umas com as outras, em qualquer hora, de qualquer dia, de qualquer semana, de qualquer mês, de qualquer ano, para o que precisar... naquele momento Deus nos capacitava para sermos constantes ajudas uma para as outras.
De repente, quando eu ainda falava, um rapaz que estava no fundo da igreja aproximou-se de nós, levantou a mão e pediu para falar.
Foi até a frente e falou: "Queridas irmãs, eu e minha esposa temos o costume de rezar o terço todos os dias e ontem como fomos dormir muito tarde, hoje pela manhã não rezamos e ela falou que ao longo do dia, cada um de nós rezassemos separadamente. Pela manhã não consegui e agora a tarde estava com uma lista enorme de coisas para fazer quando uma das pessoas me ligou e falou que atrasaria meia hora e eu pensei, vou para Igreja e rezar meu terço. Eu trabalho perto da Igreja Nossa Senhora de Fátima, mas resolvi vir na capela porque  pensei: é mais silênciosa (risos)... e quando cheguei logo percebi que o silêncio que buscava não encontraria e, resolvi, então ouvir.. e que grande presente os seus testemunhos, agora tenho certeza que foi Deus quem me enviou aqui, para ouvir tudo o que aconteceu nesta singela mais profunda celebração que estão fazendo... queria que vocês soubessem que não existe maior liberdade do que decidir ser escravo por amor... o servo, ele trabalha por um tempo determinado, depois se aposenta e vai cuidar dos seus próprios interesses, mas o escravo o é para sempre... queridas irmãs, eu e minha esposa, nós também somos escravos, já fizemos esta consagração e estar aqui me fez lembrar  que preciosidade é esta Consagração! Muito obrigada, mesmo, por tudo o que escutei aqui, por ter contribuído para que meu dia fosse mais feliz! Tenho certeza que tudo, desde não rezar o terço pela manhã, ao decidir vir aqui, tudo é Providência!"
Ficamos emocionadas, coração cheio de amor, mais um sinal do céu de que antes mesmo desta consagração se formar em nosso coração, Deus a desejou para nós, Nossa Senhora nos escolheu, nos quis como escravas, desejou dispor de nossos bens, cuidar de tudo o que temos e somos, que lindo!
Para terminar nossa irmãzinha Cecília que faz visitas em penitenciárias todas as quintas feiras a tarde, disse que ligou para o padre que a acompanha e disse que não poderia ir a tarde por ter um compromisso muito importante e convidou-o a ir pela manhã. Normalmente ela vai em penitenciária feminina, mas neste dia foi em uma masculina. E quando ela chegou lá viu um monte de algemas e ficou impressionada com esta imagem e logo percebeu que os presos saiam algemados e o Espírito Santo falou no seu coração..."de agora em diante estão presas no Sagrado Coração de Jesus e no Imaculado Coração de Maria"... e na oração que fizemos nos primeiros dias preparatório, o Ave Maris Stella,

  "Quebrai dos réus as algemas. 

Trazei aos cegos a luz. 
Daí fim aos nossos males, 
Implorai-nos todo bem."


E tudo foi maravilhoso, a certeza pelos sinais, nos deixou tão feliz...
Fizemos a nossa consagração em voz alta, todas juntas, depois de ter escrito e assinado, como acontece, por exemplo, quando se passa uma escritura em um cartório que depois de escrito lê-se em voz alta...daí rezamos o terço e queimamos, uma de cada vez.
Depois o abraço de paz emocionado que dávamos umas nas outras, que benção!
Hoje pela manhã na Santa Missa estavam presentes cinco das consagradas. Uma delas me falou, "Stelinha, muito obrigada por ter me convidado a fazer esta consagração junto com vocês, estou até agora com o coração queimando de amor, sinto-me tão feliz em estar algemada..." outra "Stelinha, estou tão feliz, muito obrigada pelo convite da consagração, hoje logo que acordei  não via a hora de estar aqui na missa e receber Nosso Senhor..." e , ainda, uma conhecida nossa que participa da opus dei me disse: "Parabéns fiquei sabendo de ontem, de que agora vocês pertencem totalmente a Virgem Santíssima..."
São sinais, meu irmão, sinais do amor de Deus por nós, seus filhos e da necessidade que temos de estar sempre "colados" em nossa querida Mãezinha do céu...
E você, já se decidiu consagrar?
Abaixo coloco algumas questões sobre este método apresentado por São Luis Maria Monfort, para seu conhecimento e decisão!
A PAZ!




Treze perguntas sobre a Consagração total da pessoa a Jesus pelas mãos de Maria:

1. Em que a Consagração proposta por São Luis Maria Montfort se diferencia das demais consagrações a Santíssima Virgem?

A Consagração proposta por São Luis é uma Consagração total, da pessoa inteira, como fala na própria fórmula da consagração, em “corpo, alma, bens exteriores, bens interiores, valor das obras boas passadas, presentes e futuras.”
E aqui é importante esclarecer: o que é este valor das boas obras?
Segundo o próprio São Luis explica, é o valor espiritual de todas as nossas obras de virtude, que se dá em 3 aspectos:
- Valor meritório: aumenta o nosso grau de glória no céu..
- Valor satisfatório: diminui a nossa eventual pena no purgatório
- Valor impetratório: é o valor que podemos “aplicar”, oferecendo uma obra de virtude por uma intenção em particular. Por esta consagração, nós nos entregamos inteiros a Virgem, e inclusive entregamos o valor das nossas boas obras, nos despojando daquilo que seria um “direito” nosso, para que Ela possa dispor deste valor livremente, e usar da forma como for melhor.
Por exemplo: por esta consagração à Virgem pode usar o valor de uma boa obra nossa para converter uma pessoa do outro lado do mundo, que nem conhecemos, que só conheceremos no céu! A explicação deste ponto encontra-se nos números 121 a 125 do Tratado.
2. Isto significa que esta consagração é superior as outras formas de consagração a Virgem?
Não necessariamente, se em outra forma de Consagração a pessoa se consagra com a consciëncia e a intenção de, entregando-se totalmente, consagrar também os seus bens espirituais, como explicamos acima, mesmo que a fórmula desta outra forma de consagração não explicite isso.
O diferencial da forma proposta por São Luis Montfort é que a fórmula expressa isso claramente, e a leitura do livro, bem como os 30 dias de preparação que ele propõe, tem como objetivo preparar a alma para este ato de Consagração Total.
3. Isso significa que, fazendo a Consagração, eu poderei me prejudicar no sentido de sofrer mais no purgatório, por ter renunciado aos meus bens espirituais?
São Luís responde sobre isso claramente no Tratado (n. 133), e diz que não!
Que Nosso Senhor e Sua Santíssima Mãe são mais generosos neste e no outro mundo, com aqueles que mais generosos lhe forem nesta vida… Ou não confiamos na Justiça e na Misericórdia de Deus?
Como acontecerá isso, não sabemos, é um mistério!
Pois está é a renúncia do Evangelho: é renunciar é ganhar cem vezes mais (Mc 10, 28-31). É perder pra ganhar.
Mais do que uma renúncia, poderia-mos dizer, a Consagração é um investimento; é colocar nossos bens mais preciosos nas Mãos Daquela que sabe administrá-los melhor do que nós, porque é a Grande Tesoureira de Deus; é colocar nossos bens na Arca do Imaculado Coração de Maria.
Alguns sugerem que Deus e Sua Mãe usem os bens espirituais de um consagrado para beneficiar outros consagrados.
Assim, os bens espirituais entregues nas Mãos Imaculadas da Virgem Maria multiplicam o seu valor, e os bens de um consagrado podem beneficiar muitos outros consagrados, e todos aqueles que Deus desejar.
4. Isso significa que, tendo feito a Consagração, eu não poderei mais fazer pedidos a Deus e a Virgem?
Poderei, sim, é o que São Luis responde no Tratado (n. 132).
O que eu não poderei mais é oferecer o valor das minhas obras por uma intenção particular (ex: fazer um jejum por uma determinada intenção), pois o valor das minhas obras, no ato de Consagração, já foi oferecido a Virgem, para que Ela, que sabe adminsitrar melhor do que, disponha livremente deste valor, para usa-lo segundo o Seu Coração.
Já fazer pedidos, eu posso; e com mais confiança ainda: pois serão os pedidos de um súdito que, por amor, entregou todos os seus bens a Sua Amada Rainha, e pede com a confiança de quem sabe que conta com toda a benevolência Dela.
Obs: São Luis ainda garante que essa Consagração é compatível com o estado de vida de cada um, e por isso não prejudica os deveres de estado de cada vocação; por exemplo, de um sacerdote que, por dever ou outro motivo, deve oferecer a Santa Missa por alguma intenção particular; pois a Consagração deve ser feita segundo a Ordem de Deus e os deveres de estado de cada vocação (n. 124).
5. Em que sentido se dá a “escravidão” à Virgem Maria? Parece algo tão estranho este termo…
É “estranho” porque precisa ser compreendido em seu significado espiritual. Se dá no mesmo sentido que a Virgem disse ao Arcanjo São Gabriel na Anunciação: “Eis aqui a Escrava do Senhor, faça-se em mim conforme a Tua Palavra.” (Lc 1,38) Se dá também no sentido do que Jesus viveu, como diz São Paulo aos Filipenses (F2, 7): “Aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de Escravo”.
São Luis mostra que naquela época não existia “servos / empregados” como existe hoje, e existia apenas escravo. A diferença é que o servo não depende totalmente do seu senhor, o escravo depende! A Virgem, em sua liberdade, é Escrava por Amor, porque quis se entregar inteiramente ao Serviço do Seu Amado, do Deus que Ela ama! Por esta consagração total, seguimos o exemplo da Virgem, nos entregando, por amor, para sermos “escravos de Jesus”, ou “escravos de Jesus por Maria”, ou ainda “escravos de Maria”. Todos estes termos estão corretos, diz São Luis, entendendo bem o seu significado.
E por esta Consagração, seguimos também o exemplo de Jesus, que se submeteu totalmente a Sua Santíssima Mãe quando se encarnou e foi gerado por Ela!
As referências para este assunto estão nos números 68 a 77 do Tratado, e do número 139 a 143.
6. Há alguma prática exterior obrigatória para que a Consagração se efetive?
Não há no Tratado nenhuma evidência que ateste isso.
Pelo contrário: São Luis fala no Tratado (n. 226) que a Consagração é essencialmente interior.
E que as práticas exteriores (oração do Rosário, do Magnificat, prática da penitência, trazer junto de si um sinal externo da Consagração, ingresso em movimentos marianos, preparação de 30 dias de oração antes da Consagração, etc) são recomendáveis, mas não são moralmente obrigatórias para um consagrado (pois não se faz nenhum voto, nesse sentido, ao se fazer a Consagração), nem são necessárias para que a consagração seja válida.
Até porque São Luis Montfort, que propõe todo este método de Consagração, não criou a Consagração, nem é um rito que ele insituiu; inclusive ele fala de muitos santos que viveram essa Consagração antes dele.
O que São Luis nos dá é um método para nos ensinar e ajudar a se preparar e a viver esta Consagração.
7. A Consagração implica em voto de celibato?
Não. São Luis deixa claro que a Consagração é um ato interior, e não menciona o celibato quando fala dos práticas exteriores recomendáveis.
A consagração do corpo, que a Consagração implica enquanto entrega total da pessoa, pode ser vivida pela virtude da castidade no estado de vida de cada um: os casados vivendo a sexualidade de acordo com o projeto de Deus, os não-casados vivendo na continência, os celibatários entregando-se inteiramente a Nosso Senhor e sua Mãe Santíssima no seu celibato (ver Catecismo da Igreja Católica, n. 2348-2356).
8. Sou muito pecador! Isso é motivo para não fazer a Consagração?
Não, senão ninguém se consagraria!
É exatamente o contrário: a Consagração Total nos ajuda a sermos santos!
O que São Luis fala que é necessário (n.99), neste sentido, é a firme resolução de evitar o pecado mortal, o esforço para evitar outros pecados e a busca de uma autêntica vida de oração, penitência e apostolado.
O que, de alguma forma, é obrigação de todo o cristão…
9. Existe alguma data específica para que a Consagração seja feita?
Não há evidencias disso no “Tratado”, mas o costume é que seja em uma data mariana.
10. Como são estes 30 dias de preparação?
São orações simples, mas como uma intenção profunda, que São Luis propõe que se faça durante 30 dias, renovando todos os anos quando se renova a Consagração, da seguinte forma (n. 227-233):
A lista das orações e os textos delas encontram-se no apêndice do “Tratado”, ao menos na ediçào das Vozes, com as traduções para o português; as orações podem ser rezadas em português):
- 12 dias preliminares pedindo o desapego do mundo, rezando a cada dia “Veni, Creator Spiritus” e “Ave Maris Stela”.
- 1ª semana (6 dias) pedindo o conhecimento de si mesmo, rezando a cada dia “Ladainha do Espírito Santo” e “Ladainha de Nossa Senhora”.
- 2ª semana (6 dias) pedindo o conhecimento da Virgem Maria, rezando a cada dia “Ladainha do Espírito Santo”, “Ave Maris Stela” e um Terço.
- 3ª semana (6 dias) pedindo o conhecimento de Nosso Senhor, rezando a cada dia a “Ladainha do Espírito Santo”, “Ave Maris Stela”, “Oração de Santo Agostinho”, “Ladainha do Ssmo. Nome de Jesus” e “Ladainha do Sagrado Coração de Jesus”.
11. No dia da Consagração, o que se faz?
Se comunga (estando devidamente preparado, evidentemente; recomenda-se inclusive a confissão no próprio dia, se possível), se escreve a fórmula da consagração (se encontra no final do Tratado, chamada “Consagração de si mesmo a Jesus Cristo, Sabedoria Encarnada, pelas mãos de Maria”) e se assina, atestando a consagração interior.
Recomenda-se ainda que neste dia se faça alguma forma de penitência (n. 231-232).
12. Não li o “Tratado” ainda. Posso me Consagrar, ou iniciar os 30 dias de preparação, mesmo assim?
A nível geral, recomendamos que não se Consagre, e nem mesmo que se inicie os 30 dias de preparação sem a leitura completa do Tratado, pois como se poderá preparar bem para a Consagração, sem a conhecê-la bem?
Além do mais, a Consagração é feita uma vez na vida, e portanto, é importante que se faça com esta preparação.
Até porque a Consagração poderá ser feito em outro momento mais para adiante, após a leitura do livro.
Provavelmente organizaremos outros “arrastões” para a Consagração em grupos em outras datas; e a Consagração também pode ser feita de forma de isolada, em uma data à livre escolha da pessoa.
Assim, recomendamos que iniciem os 30 dias de preparação aqueles que completarem a leitura do Tratado.
13. Falhei em algum exercício prático nos 30 dias ou no dia da própria Consagração, ou então cometi algum pecado mortal durante a preparação. Devo desistir de me consagrar no dia que propus?
Recomendamos, a nível geral, que não desista, e faça consagração!
Pois como dissemos, ela é um ato interior, não depende necessariamente dos atos exteriores de preparação, o demônio odeia a consagração, e poderá se utilizar de um escrúpulo nosso em não ter cumprido 100% a preparação para nos tentar a desistir de fazer.
Por isso, recomendamos que não se desista por algumas falhas nesse sentido.
No caso de uma queda em pecado mortal, que haja, evidentemente, arrependimento e se busque a Confissão o mais rápido possível.

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Cem Ave-Marias!


Olá irmãos e filhos de Maria, a paz!
Como postei esta semana a novena das 100 alegrias de Nossa Senhora.
Ontem, ao me deitar, pedi para meu anjo da guarda me chamar para que eu pudesse rezar as Ave-Marias antes do amanhecer.
Acordei no meio da noite e comecei a rezar... meu marido acordou e olhou no relógio, e me disse:
-"São 3 hrs da manhã,  está rezando?"
Eu respondi:
-"Sim,vou rezar 100 Ave-Marias..."
E rezei...
Quando foi as 6.10hrs o despertador tocou como sempre no mesmo horário e olhei para janela, ainda noite, resolvi rezar mais uma vez as 100 Ave-Marias, em caso de não tê-las feito bem as 3hrs por estar meio sonolenta.
E, sinceramente, a alegria preencheu o meu coração de maneira especial.
Fui a Santa Missa, como de costume, as 7.30 e encontrei uma irmãzinha de oração que me falou:
-" Madrugou hoje?"
Sorrindo disse que sim, é tão bom saber que não estamos sós na decisão de rezar... e ela me falou que o anjo dela acordou-a as 4hrs...
Fiquei pensando na maravilha do céu, e de como tudo concorre para que os desígnios de Deus aconteçam, desde que a nossa decisão seja ser FIEL apesar do cansaço, do sono, etc...
Outro sinal lindo é que, acordei tão feliz em ter oferecido a Mãezinha as 200 Ave-Marias e por ser hoje o dia em que vou renovar a minha consagração total, TOTUS TU, resolvi homenageá-la e coloquei uma camiseta com a estampa da Nossa Senhora. Fiquei em dúvida porque tenho mais de uma camiseta com estampa de Nossa Senhora, mas resolvi colocar a do Perpetuo Socorro que, por sinal não estava na minha gaveta mas no cesto de roupa para passar. Desci e fui pegar, porque decidi colocar esta camiseta.

Não acreditei quando o Padre Arthur, lendo as intenções da Santa Missa, falou:
"Em ação de graças a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro!"
Senti, realmente, neste sinal, que Nossa Senhora recebeu e aceitou não só as 200 Ave-Marias que rezei hoje antes do amanhecer, como também, ficou feliz com a homenagem da camiseta e, ainda mais, quer muito receber a minha vida e tudo o que tenho e sou como propriedade d'Ela para sempre amém!
E você, querido irmão? Também buscou as 100 alegrias de Nossa Senhora?
É muito bom e a alegria é contagiante...
Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e da Assunção, rogai por nós!
AMÉM!

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Novena das 100 alegrias de Nossa Senhora

Olá, queridos irmãos!
Recebi de uma amiga esta novena e fiquei encantada, por isto estou partilhando com vocês, para que se animem e façam-na.

Esta novena é feita no dia 15 de Agosto, dia em que a Igreja celebra a Assunção de Nossa Senhora aos céus e para todos que conseguirem fazer (porque não é fácil) Nossa mãe promete conceder 100 alegrias...
Vamos então a Novena e depois, fiquemos atentos as alegrias que nos serão concedidas pela Virgem Maria...
Esta novena só pode ser feita no dia 15 de Agosto.
Rezar 100 Ave-Marias a Nossa Senhora antes do amanhecer do dia 15 de Agosto.
Em seguida reza-se o Magnifica (Luc 1,46-56) e Salve Rainha.
Fiquemos constantemente em contato com Nossa Mãe do Céu e certamente alcançaremos inúmeras graças através de Suas Santas e Benditas Mãos!
AMÉM!

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Oração de Santo Agostinho ao Sagrado Coração





"Ó Jesus Cristo, amável Senhor, por que em toda a minha vida, amei, porque desejei outra coisa senão vós? Onde estava eu quando não pensava em vós? Ah! que, pelo menos, a partir deste momento meu coração só deseja a vós e por vós se abrase, Senhor Jesus! Desejos de minha alma, correi, que já bastante tardastes; apressai-vos para o fim a que aspirais; procurai em verdade aquele que procurais. Ó Jesus anátema seja quem não vos ama. Aquele que não vos ama seja repleto de amarguras. Ó doce Jesus, sede o amor, as delícias, a admiração de todo coração dignamente consagrado à vossa glória. Deus de meu coração e minha partilha, Jesus Cristo, que em vós meu coração desfaleça, e sede vós mesmo a minha vida. Acenda-se em minha alma a brasa ardente de vosso amor e se converta num incêndio todo divino, a arder para sempre no altar de meu coração; que inflame o íntimo de meu ser, e abrase o âmago de minha alma; para que no dia de minha morte eu apareça diante de vós, inteiramente consumido em vosso amor...Amém".

quinta-feira, 6 de junho de 2013

O PURGATÓRIO

Olá queridos irmãos de fé!
É muito bom termos o conhecimento da verdade, porque ela nos liberta!
Saber da existência do purgatório nos ajuda a, nesta vida, procurarmos formas de ameniza-lo em nossa eternidade.
Nos meus encontros de catequese, grande sempre é a curiosidade dos catequizandos sobre este assunto.
Vou partilhar aqui a minha explicação do purgatório, acho que é bem fácil de compreender.
Explico que existem as três Igrejas:
Igreja militante = composta pela Igreja viva, o corpo de Cristo!
Igreja padecente = composta pelas pessoas que faleceram e que ainda não foram para o céu, por não fazer bastante "bem" na terra.
Igreja gloriosa = composta pelos que já estão partilhando da glória de Deus, é o CÉU!
As três Igrejas comungam entre si, fazem parte da Comunhão dos Santos que nós professamos no Credo.
A Igreja militante, que está viva, caminha para o céu e trabalha arduamente para que o Evangelho seja proclamado e para que as almas se convertam e encontrem Jesus! Somos nós, cada um de nós. Pela nossa salvação só podemos lutar enquanto estamos vivos. A nossa conversão, o nosso arrependimento fiel e eficaz, só podemos fazer enquanto temos vida. Enquanto temos vida, contamos com a Misericórida de Deus e nossos pecados são perdoados no confessionário, onde ficamos livre da culpa, porém não da pena. Esta teremos que cumprir no purgatório, a menos que busquemos as indulgências oferecidas pelas Igreja. São muitas.
Missas, Rosários, Sofrimentos, Jaculatórias, Novenas, Adoração, Boas Obras, Visita a Cemitério, etc...tudo, tudo concorre para nossa ida mais rápida para o céu. É como se todas estas nossas atitudes e gestos concretos de fé fizessem uma ponte que nos faz chegar ao céu sem passar pelo purgatório.

Explico assim:

IGREJA MILITANTE ---boas obras- sofrimento -missa  - rosário - orações---IGREJA GLÓRIOSA

                                        IGREJA PADECENTE

Então temos que aproveitar e desejar muito este céu, para poder lutar e, passo a passo, pedrinha por pedrinha, vamos construindo nossa ponte.
Cada atitude de desamor tira uma pedrinha da nossa ponte. Mas, uma atitude de amor é capaz de apagar uma imensidão de desamor, conforme nos ensina São Pedro (I Pe 4, 7).
Uma vez mortos, somos apresentados a Justiça de Deus e, nada mais podemos fazer por nós mesmos. O que tá feito, tá feito. Se amamos pouco, vamos aprender o amor no purgatório, até que, limpos pelo amor, possamos gozar do céu. Nós ferimos o AMOR e pelo AMOR é que somos salvos.
Ai é que entra nossa participação na Igreja Padecente, nós ainda vivos. Pois as almas do purgatório nada podem fazer mais por elas mesmas, porém nós podemos. Com nossas orações podemos aliviar seu sofrimento no purgatório e até libertá-las para o céu! Por isto somos convidados a oferecer também nossas "pedrinhas do bem" para elas, que não trabalharam neste mundo na construção de sua "ponte de salvação". Em contrapartida, embora as almas do purgatório nada possam fazer por si mesmas, elas podem nos ajudar, intercedendo pelas nossas necessidades e contribuindo para que possamos construir a nossa "ponte bendita".
A Igreja gloriosa vive para ajudar as duas outras Igrejas a alcançar a graça da felicidade eterna. Intercedendo sempre por nós e pelas almas do purgatório. Como elas já estão no céu, podem oferecer suas "pedrinhas benditas" para completar a nossa ponte...por isto é tão importante os nossos santos devocionais, os amigos que conquistamos no céu. Seu Santo Padroeiro (do seu nascimento), seu Santo de Devoção, etc... sempre é muito importante estarmos ligados com estes amigos do céu, porque eles podem sim nos ajudar, pois estão pertinho de Jesus!
Não é lindo esta Comunhão dos Santos?
Sou completamente apaixonada pela nossa Igreja e, procuro agarrar-me com todas as minhas forças na Misericórdia de Deus que, através da Providência Santíssima, nos mantém ligados ao céu e nos convida a sermos caridosos com as almas padecentes e rezar para que sejam libertas para o céu.
Como nos ensina São Pedro (I Pe 4, 1-6) sobre as almas do purgatório: "Assim, pois, como Cristo padeceu a carne, armai-vos também vós deste mesmo pensamento: quem padeceu na carne rompeu com o pecado, a fim de que, no tempo que lhe resta do corpo, já não viva segundo as paixões humanas, mas segundo a vontade de Deus" e, mais adiante,  "Eles darão conta àquele que está pronto para julgar os vivos e os mortos. Pois para isto foi o Evangelho pregado também aos mortos; para que, embora sejam condenados em sua humanidade de carne, vivam segundo Deus quanto ao espírito!"
Segue, então, conteúdo para sua fé, para construção de sua "PONTE BENDITA"!
Espero que seja útil, principalmente, no tangente as atitudes e gestos concretos que nos ajudam no caminho para o Céu!
A PAZ!




O PURGATÓRIO É SIMILAR AO INFERNO

Embora o dogma do Purgatório seja um dos mais genuinamente católicos, ele está hoje muito esquecido, até mesmo nos sermões. De onde uma meditação sobre o mesmo ser de muita utilidade prática para todos nós. Não só para nos lembrarmos de rezar por nossos parentes e amigos que ali se encontram, mas também para nos incitar a expiar nesta vida o débito que pelos nossos pecados contraímos com Deus, a fim de não termos de pagá-lo na outra vida


ESTÁ NA SAGRADA ESCRITURA : “PENSA NOS TEUS NOVÍSSIMOS[ISTO É, NA MORTE, NO JUÍZO, NO INFERNO E NO PARAÍSO] E JAMAIS PECARÁS ETERNAMENTE (ECLO. 7,40) . A ISSO PODERÍAMOS ACRESCENTAR O PURGATÓRIO


"A primeira visão é corporificada nos aterradores sermões dosquaresmali[1] italianos e naquelas pinturas populares que se vê em casas à beira das estradas, que tanto enfastiam os viajantes ingleses. Elas não cansam de representar o Purgatório como um inferno que não é eterno. Violência, confusão, gemidos e horrores pairam sobre suas descrições. Insistem, com justeza, na terrível pena dos sentidos, que misteriosamente acomete a alma. O fogo é o mesmo fogo do Inferno, criado com o único e expresso fim de torturar. Nosso fogo terreno assemelha-se, em comparação, a um fogo pintado. Além disso, há um horror especial e indefinível que recaí sobre a alma desencarnada ao se tornar presa dessa agonia material. O sentimento de aprisionamento, íntimo e intolerável, e a escuridão intensamente palpável são características adicionais ao horror da cena, que nos prepara para aquela vizinhança do Inferno, expressão usada por muitos santos para descrever o Purgatório. Os anjos aparecem como ativos executores da terrível justiça de Deus. Alguns afirmaram até que os demônios têm permissão de tocar e atormentar as esposas de Cristo naqueles fogos ardentes

Então, a essas terríveis penas de sentido se ajunta a apavorante pena de dano. A beleza de Deus permanece o mesmo objeto imensamente desejável com sempre foi. Mas a alma muda. Tudo que na vida e no mundo dos sentidos entorpecia seus desejos de Deus não existe mais, de modo que ela O procura com uma impetuosidade que nenhuma imaginação pode em absoluto conceber. Seu excessivo e ardente amor torna-se a medida de sua dor intolerável. O que o amor pode fazer mesmo aqui na terra pode ser compreendido pelo exemplo de Pe. João Batista Sanchez, que dizia que seguramente morreria de miséria se ao acordar tivesse certeza de que não morreria naquele dia. A esses horrores podemos adicionar muitos mais, que representam o Purgatório como um inferno que apenas não dura para sempre

O SANTO TEMOR DE OFENDER A DEUS :

O espírito dessa visão é um santo temor de ofender a Deus, um desejo por austeridades corporais, uma grande consideração para com as indulgências, um extremo horror do pecado e um tremor habitual ante a consideração do julgamento de Deus. Os que viveram sob penitências incomuns, e em Ordens religiosas severas, sempre foram impregnados dessa visão; e parece terem sido confirmados, nos mínimos detalhes, pelas conclusões dos teólogos escolásticos, como pode ser visto de imediato ao se consultar Berlarmino, que, em cada seção de seu tratado sobre o Purgatório, compara as revelações dos santos com as consequências da teologia. É notável também que quando o Beato Henrique de Suso, por meio de crescente familiaridade e amor a Deus, começou a considerar leves, comparativamente, as dores do Purgatório, Nosso Senhor o alertou que isso muito O desagradava. Pois, como considerar leve um castigo que Deus preparou para o pecado? Muitos teólogos dizem que não só a menor pena do Purgatório é maior do que a maior pena na terra, mas maior do que todas as penas terrenas juntas

Esta é uma visão verdadeira do Purgatório, mas não uma visão completa. Mesmo assim, não é uma visão que possa ser considerada grosseira ou grotesca. É a visão de muitos santos e servos de Deus, e predomina nas celebrações do Dia de Finados em diversos países católicos" – [FONTE : TUDO POR JESUS, PE. W.F. FABER,TRAD.PORTUGUESA, H. GARNIER, LIVREIRO-EDITOR, S.D.]



COMO EVITAR O PURGATÓRIO , POR PADRE R.X. SCHOUPPE, S.J.

1-Devoção à Bem Aventurada Virgem Maria, e o uso de, e fidelidade ao, seu escapulário

2-Caridade para com os vivos e os mortos

3-Mortificação e obediência

4-Recepção fervorosa dos Sacramentos, especialmente ao se aproximar da morte

5-Confiança na misericórdia divina

6-Finalmente, uma santa aceitação da morte em união com a morte de Jesus na cruz

"Estes meios são suficientemente poderosos para nos preservar do Purgatório, mas devemos fazer uso deles. Contudo, para empregá-los seriamente e com perseverança, uma condição é necessária: formar uma firme resolução de pagar pelos nossos pecados neste mundo, ao invés de no outro. Esta resolução deve ser baseada na fé, que nos ensina como é fácil a satisfação de nossos pecados nesta vida e como é terrível o Purgatório. “Põe-te depressa de acordo com teu adversário,” diz Jesus Cristo, “enquanto ainda estás a caminho com ele, a fim de que o adversário não te entregue ao juiz, e o juiz ao guarda, e sejas metido na prisão. Em verdade te digo: Não sairás de lá, enquanto na pagares até o último ceitil” (Mat 5:25-26)

Reconciliar-se com seu adversário no caminho, significa, na boca de Nosso Senhor, aplacar a Justiça Divina, e pagar nossos pecados durante a vida, antes de chegar àquele imutável fim, àquela eternidade onde qualquer penitência é impossível, e onde devemos nos submeter aos rigores da Justiça. Não é muito sábio este conselho de Nosso Senhor?

Podemos aparecer diante do tribunal divino carregado de um enorme débito, que poderíamos tão facilmente ter pagado por meio de algumas penitências, e que agora deveremos pagar por anos de tormento? “Aquele que se purifica de suas faltas na vida presente,” diz Santa Catarina de Genova, “satisfaz com um centavo uma dívida de mil ducados; e aquele que aguarda até a outra vida para se livrar de suas dívidas, consente em pagar mil ducados pelo que poderia antes ter saldado com um centavo.” Devemos, portanto, começar com uma resolução firme e eficaz de pagar nosso débito neste mundo; esta é a pedra fundamental. Uma vez lançada esta pedra, devemos empregar os meios enumerados acima" – [FONTE : IN PURGATORY: EXPLAINED BY THE LIVES AND LEGENDS OF THE SAINTS, PE. R.X. SCHOUPPE, S.J., TAN BOOKS, 1986]



COMO EVITAR O INFERNO, SEGUNDO PE. DE SÉGUR


1-Comece e termine o dia com uma oração, rezada com muita devoção e cordialidade. Junte às orações uma leitura atenta de uma ou duas páginas do Evangelho ou de bons livros devocionais que enriqueçam o espírito

2-Tome o excelente hábito de fazer o sinal da Cruz todas as vezes que você sair e entrar em casa. Esta prática muito simples é santificante

3-Tente, se os deveres lhe permitirem, ir à missa todas as manhãs, bem cedo, para receber a cada dia a benção por excelência

4-Preste igualmente todos os dias, com um coração de filho, à Bem Aventurada Virgem Maria, Mãe de Deus e Mãe dos cristãos, alguma homenagem de piedade, amor e veneração. O amor da Santa Virgem, junto com o amor do Santíssimo Sacramento, é um penhor quase infalível de salvação

5-Tenha o hábito – e jamais deixe-o – de se confessar e de comungar com freqüência

6-Ainda proponho, neste pequeno regulamento para a vida, perceber e combater incessantemente dois ou três defeitos, observados ou que virão a ser observados em você. É evidentemente pelas suas fraquezas que, num momento ou noutro, o inimigo tentará atacar de surpresa

7-Por fim, evite, como se evita o fogo, freqüentar lugares e más leituras – [FONTE : IN INFERNO , MOSENHOR DE SÉGUR, EDITORA ECCLESIAE, TRAD. E NOTAS DIEGO CHIUSO, 2011]


Esquecemo-nos com frequência da única coisa certa nesta vida, ou seja, de que um dia morreremos. O que acontecerá então? De acordo com a doutrina católica, no momento da morte somos submetidos a um juízo particular, no qual todos os nossos pensamentos, atos e omissões passarão diante dos olhos do Supremo Juiz. Se tivermos a felicidade de nos apresentar então impolutos, ou de termos expiado nossas faltas durante a vida por meio da penitência e dos outros meios que a Igreja põe a nosso dispor, iremos diretamente para a felicidade sem fim no Céu. Se morrermos impenitentes, em estado de pecado mortal, seremos condenados. Se, entretanto, como acontece com a maior parte dos que se salvam, tivermos ainda que expiar pelo que a Igreja chama de “relíquias do pecado”, isto é, pela pena temporal devida a eles, então iremos para o Purgatório, onde pagaremos “até o último centavo” (Mt 5, 26)