segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Esquema para encontro sobre Virtudes Teologais


Que bom que Jesus nos concede a sede de conhecer e aprender sobre as coisas santas e que bom, ainda, que elas nunca se esgotam...
É o milagre da Boa Nova, sempre, sempre novidade em nosso coração Deus faz conhecer, aos corações sedentos, aos corações pobres, aos corações que O buscam sempre!
Hoje, especialmente vou passar um esquema para encontro sobre as Virtudes Teologais. Porém é só um esquema, você precisa se aprofundar lendo o Catecismo da Igreja Católica e as passagens Bíblicas referidas no esquema.
Espero que seja útil para você!
Bençãos e paz!


Virtudes Teologais.


Virtude = Disposição firme e constante para a prática do bem. Força moral. Ato virtuoso. Qualidade própria para produzir certos efeitos. Causa, razão. Validade, legitimidade.
As Virtudes Teologais são motivadas pelo próprio Deus em nós e têm por finalidade a nossa relação com Ele e com as coisas santas. Também fundamentam e animam o "agir moral cristão" , tornando vivas as nossas virtudes humanas. Na verdade são um penhor do Espírito Santo nas nossas faculdades. 
Um dos efeitos do nosso Batismo é propiciar as Virtudes Teologais e os dons do Espiríto Santo (Compêndio Do CIC - 263) em nós. Portanto, todo batizado tem como  "presente" de Deus a graça de desenvolver as Virtudes Teologais.
A nossa alma, na sua estrutura natural,  age através da inteligência + vontade. São cooperantes do nosso agir a nossa inteligência e a nossa vontade.
Nascemos com a nossa inteligência, porém, precisamos estudar para desenvolvê-la. A nossa vontade coopera para o desenvolvimento da nossa inteligência. Uns desenvolvem muito, outros pouco.
Na sua estrutura sobrenatural, a nossa alma depende das Virtudes Teologais e dos Dons do Espírito Santo que recebemos no Batismo.
Assim como para desenvolver a nossa inteligência precisamos agir com a nossa vontade, da mesma forma para desenvolver as Virtudes Teologais precisamos do ato de vontade que se faz através e com a ajuda do Espírito Santo.
Então, ao longo de nossa vida, Deus lança mão de acontecimentos e obstáculos no dia a dia, para que possamos desenvolver as Virtudes Teologais.
Nossa Senhora foi a única que recebeu estas virtudes teologais infusas.
Mas quais são as Virtudes Teologais?

FÉ - ESPERANÇA - CARIDADE.

Sendo assim, ao longo de nossa vida, Deus na sua Santíssima Providência, providenciará situações para que possamos desenvolver a graça santificante e um relacionamento íntimo com Ele através da Fé, da Esperança e da vivência do Amor.
As virtudes teologais, além da Palavra de Deus, da Liturgia da Igreja, fundamentam a nossa oração, pois juntamente com as situações cotidianas vamos encontrar Deus agindo em nossa vida.

O que é Fé?
Fé é a virtude através do qual nós cremos em Deus e em tudo o que Ele revelou e que a Igreja nos propõe crer.
Fé é uma DECISÃO.
É a certeza daquilo que não se vê.
É o primeiro contato com o homem com as realidades divinas.
Ler Hebreus 11.
A fé é ao mesmo tempo aceitação das verdades reveladas pela Palavra e pela Igreja e a confiança em Deus, que cumpre o que promete!
O que é Esperança?
Esperança é a virtude que nos auxilia a esperarmos de Deus o cumprimento de Suas Promessas e a perseverarmos até o fim da nossa vida terrena na certeza da vida eterna, do céu. A esperança nos impulsiona a viver a felicidade no céu, nas coisas santas, em Deus, sabendo que neste mundo viveremos muitas tribulações, nosso coração, motivado pela esperança, vive estas tribulações com paz e alegria por acreditar que Deus é fiel e cumprirá suas Promessas em nossa vida! A esperança não se apega no palpável, no humano e nas coisas deste mundo, mas é fundamentada pela fé em Deus e em tudo o que a Igreja nos propõe como Verdade. Não se apóia no homem, ou nas capacidades humanas, mas em Deus e no divino.
O que é Caridade?
A Caridade é a virtude que nos auxilia a amar a Deus sobre todas as coisas e ao nosso próximo como a nós mesmo. O amor que deseja a salvação de toda a humanidade e que aceita padecer pelo céu, para que outrem alcance a oportunidade de conhecer o céu. O amor é o fundamento de todas as outras virtudes. Sem amor, amor à Deus,  não sou nada e nada do que faço tem efeito salvífico. Minhas atitudes precisam ser motivadas pelo amor à Deus, sem ele nada sou, sem ele nada lucro!
Ler 1Cor 12.

"Amo-vos, Senhor, e a única graça que vos peço é de vos amar eternamente. Meu Deus, se a minha língua não pode repetir, a cada instante, que vos amo, quero que o meu coração vo-lo repita  toda as vezes que respiro."
(São João Maria Vianney)







quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Vamos aplaudir a Palavra!


Seja bem vindo querido filho ou filha de Deus! Irmão ou irmã na fé em Jesus Cristo, nosso Senhor, louvo e bendigo a Deus por sua visita agora!
Em qualquer lugar que você esteja neste momento, estamos unidos, no amor a Deus, na sede de encontrá-Lo, no desejo de segui-Lo, na ânsia de anuncia-Lo!
Obrigado por parar este tempinho precioso de sua vida para ouvir a Deus...
Sempre digo ao Senhor : "Jesus, queria eu poder ficar o tempo inteirinho ouvindo-Te! É tão penoso para mim ter que deixá-Lo para atender as minhas atividades deste mundo...Jesus, minha delícia!" 
Hoje na missa da manhã, aconteceu algo diferente.
Terminada a primeira Leitura o padre Arthur pediu a assembléia:
"Vamos aplaudir este Palavra, que maravilha!"
Eu acompanhei  toda a assembléia batendo palmas, mas fiquei desolada porque durante a leitura me distraí com minhas preocupações, interiormente entregando-as à Deus, deixei de ouvi-Lo na primeira leitura.
Meu coração, então, diante desta atitude do Padre, ficou ansioso em chegar em casa para ler a Carta aos Efésios, para junto com o Padre me alegrar com a verdade proclamada.
Vamos ler, então, a Carta aos Efésios 4,1-7.11-13:

"Irmãos, ¹eu, prisioneiro no Senhor, vos exorto a caminhardes de acordo com a vocação que recebestes: ²com toda a humildade e mansidão, suportai-vos uns aos outros com paciência, no amor. ³Aplicai-vos em guardar a unidade do espírito pelo vínculo da paz. 4Há um só Corpo e um só Espírito, como também é uma só a esperança à qual fostes chamados. 5Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo, 6um só Deus e Pai de todos, que reina sobre todos, age por meio de todos e permanece em todos. 7Cada um de nós recebeu a graça na medida em que Cristo lha deu. 11E foi ele quem instituiu alguns como apóstolos, outros como profetas, outros ainda como evangelistas, outros, enfim, como pastores e mestres. 12Assim, ele capacitou os santos para o ministério, para edificar o corpo de Cristo, 13até que cheguemos todos juntos à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, ao estado do homem perfeito e à estatura de Cristo em sua plenitude."



Ao ler agora meu coração, realmente, pula de alegria...te convido como o Padre Arthur a aplaudir a Palavra...
Sim, querido irmão, diante de toda esta verdade, precisamos aplaudir... Deus nos capacitou para edificar o Seu Corpo, que caminha junto para o céu, unidos pela fé, pelo amor a Verdade que é Jesus, procurando n'Ele, por Ele e com Ele a santidade, imitando-O, buscando-O, ouvindo-O...
A Igreja de Cristo é um Corpo, em movimento, cada um de nós seus membros, temos que nos movimentar junto com o Corpo, por isto Deus capacitou a cada um de nós com dons, para agirmos, para movimentarmos a Sua Palavra, para "ser" neste mundo a Sua Imagem e Semelhança...veja, São Paulo nos garante que embora cada um de nós estamos fazendo a nossa parte no lugar em que estamos, é sempre Deus que age em nós, por nós e conosco...é lindo ver esta unidade, a Igreja toda lutando por um mundo melhor, eu, você, sua paróquia, a minha, todos lutando pelo mesmo objetivo, em nome da mesma pessoa: Cristo Jesus, nosso Senhor!
Você faz parte desta unidade, eu faço parte dela, somos um em Cristo Jesus!
A minha pergunta é: qual é o seu dom?
Para que você foi criado por Deus?
O que está fazendo hoje em sua vida?
Quais os seus planos, irmãos, para onde vai?
Consegue responder estas três perguntas?
Este é o nosso desafio, querido de Deus, descobrir a nossa missão e praticá-la enquanto ainda nos é dado fazê-lo!
Lembrando sempre que é o único Senhor Jesus que age por nós, em nós e conosco!
Com o salmista, então, vamos engrandecer a Palavra de Deus, rezando juntos o salmo 18, 8-11:


"A lei de Javé é perfeita, um descanso para alma.
O testemunho de Javé é firme, instrução para o ignorante.
Os preceitos de Javé são retos, alegria para  coração.
O mandamento de Javé é transparente é luz para os olhos.
O temor de Javé é puro, estável para sempre.
As decisões de Javé são verdadeiras e justas igualmente.
São mais desejáveis que o ouro, mais do que o ouro refinado.
São mais doces que o mel que vai escorrendo dos favos."

PAZ!

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Pietá.


NOSSA SENHORA DAS DORES

.
.


Hino

Maria, fonte de amor,
Fazei que, na vossa dor,
Convosco eu chore também.

Fazei que o meu coração
Seja todo gratidão
A Cristo, de quem sois Mãe.

Do vosso olhar vem a luz
Que me leva a ver Jesus
Na sua imensa agonia.

Convosco, ó Virgem, partilho
Das penas do vosso Filho,
Em quem minha alma confia.

Mãos postas, à vossa beira,
Saiba eu, a vida inteira,
Guiar por Vós os meus passos.

E quando a morte vier,
Eu me sinta adormecer
No calor dos vossos braços.


Salmodia
Salmos e cântico do Domingo I.

Ant. 1 A minha alma está unida a Vós, Senhor Jesus.
Ant. 2 Alegrai-vos, na medida em que participais nos sofrimentos de Cristo.
Ant. 3 Deus quis reconciliar consigo todas as coisas pelo Sangue de Cristo.


Leitura breve                                                                                                                       Col 1, 24-25

Agora alegro-me com os sofrimentos que suporto por vós e completo na minha carne o que falta à paixão de Cristo, em benefício do seu Corpo que é a Igreja. Dela me tornei ministro, em virtude do cargo que Deus me confiou a vosso respeito: anunciar em plenitude a palavra de Deus.


Responsório breve

V. Por Vós, ó Virgem Maria, esperamos a salvação.
R. Por Vós, ó Virgem Maria, esperamos a salvação.
V. Das Chagas de Cristo.
R. Esperamos a salvação.
V. Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
R. Por Vós, ó Virgem Maria, esperamos a salvação.


Ant. Bened.

Alegrai-Vos, Mãe dolorosa, que depois de tantos sofrimentos viveis para sempre com vosso Filho, na glória do Céu, como Rainha do universo.


Preces

Elevemos as nossas súplicas ao Salvador, que Se dignou nascer da Virgem Maria, e digamos confiadamente:

Vossa Mãe, Senhor, interceda por nós.

Ó Sol de justiça, a quem a Virgem Maria precedeu como aurora resplandecente,
— fazei que vivamos sempre na claridade da vossa luz.

Verbo eterno do Pai, que escolhestes Maria como arca incorruptível da vossa morada,
— livrai-nos de toda a corrupção do pecado.

Salvador do mundo, que tivestes vossa Mãe junto à cruz,
— concedei-nos, por sua intercessão, a graça de participar generosamente nos vossos sofrimentos.

Senhor Jesus Cristo, que, suspenso da cruz, destes a João, Maria por Mãe,
— fazei que vivamos também como seus filhos.


Pai Nosso


Oração

Senhor, que, na vossa admirável providência, quisestes que, junto do vosso Filho, elevado sobre a cruz, estivesse sua Mãe, participando nos seus sofrimentos, concedei à vossa Igreja que, associada com Maria à paixão de Cristo, mereça ter parte na sua ressurreição. Por Nosso Senhor.

LADAINHA DE NOSSA SENHORA DAS DORES



Que bom estamos juntos neste dia tão especial em que a Igreja celebra e relembra as dores aceitas e vividas por Nossa querida Mãezinha.
A devoção à Nossa Senhora das Dores  teve início na Itália em 1617, por iniciativa da Ordem dos Servos de Maria, assim como a Missa de Nossa Senhora das Dores, que hoje é celebrada em toda a Igreja no dia 15 de setembro.
Com a devoção surgiu a Coroa é um dos frutos do carisma mariano da Ordem, cultivado desde 1233, ano de sua fundação.
A Coroa surgiu inicialmente como alimento da piedade mariana dos leigos reunidos em grupos chamados Ordem Terceira.
A Coroa das Dores teve sempre a aprovação dos Papas.
Postei já a Coroa, não deixe de fazê-la....


 http://stelamaria.blogspot.com/2010/09/nossa-senhora-das-dores-rogai-por-nos.html


Hoje, vou postar a Ladainha de Nossa Senhora das Dores...
Rezemos sempre, meu irmão, sempre à Nossa Senhora, sua intercessão é fiel e eficaz!!!
PAZ
Ladainha de Nossa Senhora das Dores
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, ouvi-nos.
Jesus Cristo, atendei-nos.
Deus Pai, que estais nos Céus, tende piedade de nós.
Deus Filho, Redentor do Mundo, tende piedade de nós.
Espírito Santo Paráclito, tende piedade de nós.
Trindade Santa, Deus uno e Trino, tende piedade de nós.
Mãe de Jesus crucificado, rogai por nós.
Mãe do Coração Transpassado, rogai por nós.
Mãe do Cristo Redentor, rogai por nós.
Mãe dos discípulos de Jesus, rogai por nós.
Mãe dos redimidos, rogai por nós.
Mãe dos viventes, rogai por nós.
Virgem obediente, rogai por nós.
Virgem oferente, rogai por nós.
Virgem fiel, rogai por nós.
Virgem do silêncio, rogai por nós.
Virgem da espera, rogai por nós.
Virgem da Páscoa, rogai por nós.
Virgem da Ressurreição, rogai por nós.
Mulher que sofreu o exílio, rogai por nós.
Mulher forte, rogai por nós.
Mulher corajosa, rogai por nós.
Mulher do sofrimento, rogai por nós.
Mulher da Nova Aliança, rogai por nós.
Mulher da Esperança, rogai por nós.
Nova Eva, rogai por nós.
Colaboradora na salvação, rogai por nós.
Serva da reconciliação, rogai por nós.
Defesa dos inocentes, rogai por nós.
Coragem dos perseguidos, rogai por nós.
Fortaleza dos oprimeidos, rogai por nós.
Esperança dos pecadores, rogai por nós.
Consolação dos aflitos, rogai por nós.
Refúgio dos marginalizados, rogai por nós.
Conforto dos exilados, rogai por nós.
Sustento dos fracos, rogai por nós.
Alívio dos enfermos, rogai por nós.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, ouvi-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós.
D- Rogai por nós, Santa Mãe de Deus,
R- Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.
Amém.
Oração
Ó Deus, por vosso admirável desígnio, dispusestes prolongar a Paixão do vosso Filho, também nas infinitas cruzes da humanidade.
Nós Vos pedimos: assim com oquisestes que ao pé da Cruz do Vosso Filho, estivesse Sua Mãe, da mesma forma, à imitação da Virgem Maria, possamos estar sempre ao lado dos nossos irmãos que sofrem, levando amor e consolo.
Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Exaltação da Santa Cruz!


Jesus crucificado
Amado de Deus, bom estarmos juntos neste dia em que a Igreja nos propõe unir a nossa Cruz com a Cruz de Cristo!
Exaltar =  Louvar, elogiar, glorificar, vangloriar, enobrecer.. Inflamar, delirar.
Consegue entender, irmão, o que acontece quando unimos a nossa cruz com a de Cristo e a exaltamos?
Louvamos a nossa cruz. A elogiamos. A glorificamos. Nos vangloriamos por ela. Precisamos nos sentir enobrecidos por ter uma cruz para carregar! 
Não é louco demais este gesto na visão deste mundo?
Só que é real, irmão, não existe céu sem Cruz!
Portanto hoje, feche seus olhos, agradeça a Deus pela oportunidade de poder padecer um pouco, pela salvação de tantos...
FORÇA. CORAGEM. PAZ.
Copiei este artigo que achei maravilhoso e que mostra a atitude que devemos imitar diante da cruz, da nossa querida Mãe...
Lembre, você também é filho e Ela, com certeza, está aos pés de sua Cruz, apoiando-te, até o fim...
PAZ!
Artigo tirado do site:http://www.fatima.com.br/
"Perto da cruz de Jesus, permanecia de pé sua mãe... (Jo 19,25) Quando levantaram do chão a cruz, a Mãe se aproximou.

Não tinha palavras. Apenas uma dor que lhe transpassava o coração, como havia sido predito. Cada batida do martelo a pregar seu Filho, cravavam-na no mesmo madeiro.

E, no entanto, Ela conhecia as Escrituras e sabia, desde muito, quem seria aquele Servo Sofredor. E havia chegado o dia do grande sofrimento.

O dia da cruz.

Não mais o teria em seus braços, ainda que estivesse de braços tão abertos, porque, do alto daquele Calvário, Ele abraçava o mundo inteiro, reunindo e redimindo toda a humanidade.

Mãe e Filho apenas se olhavam e se compreendiam. Como sempre fizeram.

Não tinha palavras. Fazia suas as do Filho que chamava pelo Pai, que perdoava seus algozes, que ainda se preocupava com a mãe e com os discípulos que deixava, que entregava seu espírito. E depois, o silêncio.

O silêncio da cruz a clamar mais forte que todos os gritos da terra.

Amado de Deus, bom estarmos juntos neste dia tão especial, em que devemos unir a nossa cruz com a do Nosso Senhor!
Exaltação da Santa Cruz.!
Quando tiraram Jesus da cruz, a Mãe não se afastou.
Não tinha palavras. Recebia nos braços aquele corpo desfigurado e doía-lhe pensar que, um dia, o recebera pequeno e frágil. E que cuidara dele com todo amor que um coração podia conter e extravasar.

Lentamente, retirou a coroa que fazia do Filho um rei aparentemente fracassado.

Quando o colocaram no lençol para o levarem, a Mãe se voltou.

E abraçando apaixonadamente a cruz, gravou-a fundo na alma, para decalcá-la com perfeição no coração de todos os filhos que, naquele Calvário, lhe tinham sido confiados. "

EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ!


"Nós Vos adoramos e Vos bendizemos ó Cristo, porque pela Vossa Cruz remiste o mundo!"

Obrigado, Senhor Jesus, por permitir ao meu pobre coração encontrá-Lo escondido nas Cruzes de cada dia!
Contemplo hoje Seus sofrimentos, Senhor, entrego-Te os meus!
Busco á Tua Misericórdia, confio n'Ela!
Busco à Tua Bondade, confio n'Ela!
Busco o Teu Amor, encontro-O ao meditar na Tua Cruz!
"Bendito seja Iahweh, que por mim realizou maravilhas de amor!" (Sl. 31, 22)
Obrigado, Senhor, pelo Sangue Precioso derramado na Cruz por amor de nós!
Sou-Te grata Senhor, por cada gota do Teu Sangue Precioso que derramou na Cruz por amor de mim, para me Salvar!
Eu Te amo, Senhor.
Eu Te adoro, Senhor.
Eu creio, Senhor.
Eu Te espero, Senhor.
Peço-Te perdão por aquele que não Te amam, não Te adoram, não creem, não Te esperam!
AMÈM!

PAZ!

domingo, 4 de setembro de 2011

Sacramentos. Explicação para encontro de catequese.


Querido amigo, que bom que está me visitando agora.
É incrível como Deus nos coloca tão pertinho...
Bem, apesar de ser catequista há mais de dez anos, sempre para mim é um desafio novo os encontros que preciso ministrar.
Estou sempre em processo de aprendizagem. Cada turma, cada catequizando, são únicos, por isto, cada ano os encontros, os temas, precisam ser trabalhados, conforme os "ouvintes".
Especialmente a turminha deste ano é muito difícil, pois adolescentes de 13 anos, final da tarde de segunda feira, meu Deus, preciso muito contar com a ajuda do Espírito Santo para poder cumprir a minha tarefa e fazê-los compreender o que estou propondo. Mas, confesso que este desafio, para mim, é o combustível, acho magnifico!
Costumo chegar pelo menos uma hora antes do encontro e vou até o Sacrário apresentando sempre ao Senhor minhas limitações humanas, frente a necessidade urgente da sua Palavra ser cravadas naqueles pequeninos corações que estão começando a descobrir o mundo, com seus hormônios à flor da pele.
Para completar o quadro, a maioria dos catequizandos estudam juntos na escola e, tem uma certa intimidade fora da catequese, querem conversar, querem trocar experiências dos finais de semana, enfim, preciso mesmo da ajuda do Espírito Santo para seduzi-los. Não é fácil.
O desafio de hoje é falar sobre Sacramentos.
O Espírito Santo me fez pensar no nosso sistema circulatório para explicar a importância do Sacramento.
Sacramento, segundo nos ensina o CIC consiste nos sinais ou instrumentos através do qual o Espírito Santo difunde a graça de Cristo na Igreja.
Quando ministrei o encontro sobre o que é Igreja consegui mostrar aos catequizandos que todos nós fazemos parte deste corpo. Desenhei na lousa um Jesus bem grande, em forma de Igreja, e dentro do Corpo desenhei várias pessoas, inclusive colocando o meu nome e o deles, de seus pais, etc. Foi bem legal pois consegui mostrar que Igreja não é Templo, como todos achavam que era, mas é o  povo, o Corpo de Cristo que tem vida, que se movimenta.
Somos um membro, portanto do Corpo de Cristo, que é a Igreja. Como membro da Igreja precisamos ser alimentados com "vida", com a "Graça de Cristo", assim como todos os membros do nosso corpo também são alimentados pelo nosso sangue. Os Sacramentos são "sangue" que dá vida a Igreja e que alimenta o coração que é a nossa fé. Assim como as funções realizadas pela circulação do sangue são indispensáveis para o equilíbrio do nosso corpo e vitais para a manutenção da vida, assim também os Sacramentos são indispensáveis para a vida da nossa fé. Sem os Sacramentos estamos fadados a morte espiritual!
Sabendo que a circulação sanguínea remove as toxinas dos tecidos, leva oxigênio e nutrientes para as células, transporta hormônios e realiza a defesa de nosso corpo, fica mais fácil entender o papel dos Sacramentos na vida da Igreja.
Digamos que são responsáveis em levar o Espírito Santo "oxigênio" para as nossa células, alimentam e defendem a nossa fé.
O coração, que é a nossa fé,  funciona como uma bomba, dando pressão ao sangue "sacramento" para que este circule por todo nosso corpo através dos vasos sanguíneos, alimentando-o e dando vida!
Sacramentos destinam-se à santificação dos homens e ao culto a ser prestado à Deus.Instruem os fiéis na fé e, ainda, por palavras e coisas alimentam, fortalecem e exprimem a fé. São, assim, sinais sensíveis (palavras e ações) acessíveis a nossa humanidade e realizam eficazmente a graça que significam em virtude da ação do Espírito Santo. Os Sacramentos são eficazes porque é Cristo quem age: é Ele quem batiza, é Ele quem atua nos seus Sacramentos, através do Espírito Santo.
Assim como o fogo transforma tudo o que toca, o Espírito Santo transforma em vida divina tudo o que é submetido ao seu poder, através dos Sacramentos. A partir do momento em que o Sacramento é celebrado, o poder de Cristo e de seu Espírito age nele e por ele.
Mas, assim como a livre circulação do sangue em nosso organismo é impedido pela gordura, o pecado também pode impedir os "frutos" dos sacramentos em nossa vida.
Assim, os frutos dos sacramentos dependem das disposições de quem os recebe. 
Qual é este fruto? Através dos Sacramentos o Espírito Santo nos permite participar da natureza divina.
Somos criados a Imagem e Semelhança de Deus e o pecado nos desfigura. Os Sacramentos são um meio através do qual esta semelhança vai sendo devolvida a cada um de nós.
Os sete Sacramentos são assim divididos:
1.Iniciação Cristã: Batismo, Eucaristia e a Crisma.
2.Cura: Sacramento da Penitência e a Unção dos Enfermos.
3.Serviço: Ordem e Matrimônio.
Os Sacramentos da Iniciação Cristã são lançados os fundamentos de toda vida cristã. Recebemos o Batismo e depois fortalecidos pela Crisma e nutridos pela Eucaristia.
Os Sacramentos da Cura física e espiritual. Podem ser ministrados várias vezes, tantas quanto forem necessárias a nossa cura. Principalmente o Sacramento da Penitência, ou Reconciliação, ou Confissão, devemos buscá-los, se puder, uma vez ao mês.
Os Sacramentos de serviço são aqueles que recebemos para os outros, para servir aos outros. 
Sobre o Sacramento da Crisma já postei um artigo específico. Quanto aos demais, pouco a pouco, vou partilhando com vocês o meu estudo.
Espero que seja proveitoso para o seu encontro esta explicação sobre Sacramento, pois de fato é um desafio muito grande para nós, catequistas, passar aos meninos a importância de estar sempre ligados aos Sacramentos.
É mesmo um desafio para nós mostrar aos catequizandos a importância de permanecer sempre ligados à Igreja pela frequência sistemática, perseverante, fiel aos Sacramentos.
Deus seja louvado pela sua generosidade em dar a nós, seus filhos, membros da sua Igreja, os Sacramentos, através dos quais vamos nos mantendo em pé, vivos e fortes nesta caminhada rumo ao céu!


PAZ

sábado, 3 de setembro de 2011

Como nasceu a devoção a Mãe da Divina Misericórdia?


Seja bem vindo querido filho, querida filha de Deus!
Um amigo de Deus, Carlos, visitou este blog e postou um comentário pedindo maiores informações sobre a devoção à Mãe da Divina Misericórdia...
Sendo assim, amado de Deus, atendendo a sua solicitação, segue toda a explicação sobre esta linda devoção!
Aqui no blog você pode encontrar a novena, é só pesquisar...
A PAZ e que Nossa Senhora, Mãe da Divina Misericórdia abençoe o seu santo domingo e sua semana!


A DEVOÇÃO A MÃE DA DIVINA MISERICÓRDIA:

Existe uma íntima relação entre Maria Santíssima, a Mãe de Jesus, o mistério da misericórdia divina e a prática da misericórdia. Maria está desde a sua concepção envolta na misericórdia infinita do Pai, pelo Filho e no Espírito (preservada do pecado e do demônio), ao mesmo tempo em que o seu agir – antes e depois da sua Assunção – está assinalado pelo amor efetivo aos seres humanos (especialmente pelos pecadores e sofredores).

Oficialmente a Igreja Católica aprovou a 15/8/1986 o formulário da Missa Votiva “Santa Maria, Rainha e Mãe de Misericórdia”, importante marco para a história de sua veneração – sem nos esquecermos que a 30/11/1980 o Papa João Paulo II destacara na sua Encíclica Dives in misericordia que Maria é a “pessoa que conhece mais a fundo o mistério da misericórdia divina” (n. 9). Anos depois o Catecismo da Igreja Católica (1997) dirá que ao rezar na Ave-Maria: “rogai por nós, pecadores”, estamos recorrendo à “Mãe da misericórdia” (n. 2677).
A invocação “Salve, Rainha de misericórdia” se encontra pela primeira vez com o Bispo Adhémar, de Le Puy (+ 1098); destaca a qualidade do olhar materno de Maria: “esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei”, e conclui com o sentido desta sua misericórdia: “ó clemente, ó piedosa, ó doce, Virgem Maria”. Já o título “Mãe de Misericórdia” se crê que foi dado pela primeira vez a Maria por Santo Odão (+942), abade deCluny. “Ego sum Mater misericordiae” (Eu sou a Mãe de Misericórdia), Maria lhe teria dito em sonho.
No mundo oriental podemos encontrar testemunhos ainda mais antigos. O padre oriental da Tiago de Sarug (+521), aplicou a Maria explicitamente o título de “Mãe de misericórdia” (Sermo de transitu), o que é por muitos considerado como sua primeira atribuição em absoluto.
Relação com a Mensagem da Divina MisericórdiaEm Vilna, capital da Lituânia, se venera a imagem da Mãe da Misericórdia de Aušros Vartai (Portal da Aurora) desde 1522, localizada numa das entradas do antigo muro. Em 1773 o Papa Clemente XIV concedia indulgências a quem rezasse ali com devoção, e em 1927 o Papa Pio XI permitiu que a pintura fosse solenemente coroada com o título de Maria, Mãe de Misericórdia. Sua festa é celebrada a 16 de novembro.
Em nossos tempos, Santa Faustina Kowalska†, mística polonesa, nos repropõe a centralidade da Divina Misericórdia para a fé e a vida da Igreja, recorrendo a Maria Santíssima como Mãe da Misericórdia, padroeira da Congregação religiosa a que pertencia (cf. Diário 79, 449, 1560), cuja festa celebravam (a Congregação) em 5 de agosto. Por Providência divina, a primeira vez em que a imagem de Jesus Misericordioso foi publicamente venerada foi justamente em Vilna (cf. Diário, 417).
Em qual sentido podemos proclamar Maria como Mãe de misericórdia? Sem cometer o grave equívoco de pensar que a misericórdia é reservada a Maria e a justiça a Jesus (como muitos medievais chegaram a pensar), o título “Mãe da Misericórdia” ou “Mãe de misericórdia” assim se justifica: Maria é a mulher que experimentou de modo único a misericórdia de Deus – que a envolveu de modo particular desde a sua Imaculada Conceição, passando pela Anunciação, como discípula fiel do seu Filho, até o grande momento da Sua Páscoa (paixão, morte, ressurreição, glorificação e Pentecostes). Ela é kecharitoméne, “cheia de graça”, ou seja, totalmente transformada pela benevolência divina (cf. Ef 1,6).
Maria é a mãe que gerou a misericórdia divina encarnada – graça extraodinária que coloca a jovem Maria, a partir da Encarnação do Filho de Deus, numa relação inimaginável de intimidade com o próprio “Pai das misericórdias” (2Cor 1,3). A partir do seu “eis-me aqui” e o seu “faça-se”, a misericórdia divina se faz carne e entra na história!
Maria é a profetisa que exalta a misericórdia de Deus – pois no seu cântico o “Magnificat” por duas vezes – unida ao Filho do Altíssimo e ao seu Espírito – ela louva ao Pai misericordioso: “a sua misericórdia se estende de geração em geração sobre aqueles que o temem”; “socorreu Israel, seu servo, lembrando-se de sua misericórdia” (Lc 1,50.54).
Maria é a intercessora incansável do povo de Deus – elevada aos Céus em corpo e alma, Maria não deixa de apresentar as necessidades dos fiéis ao seu Filho, a quem rogou pelos esposos de Caná, quando vivia na terra (cf. Jo 2,1ss). Ela “continua a alcançar-nos os dons da salvação eterna”, ensina o Concílio Vaticano II (Lumen gentium, n. 62), praticando assim a misericórdia, sobretudo para com os que padecem dos males da alma (pecadores), mas também do corpo (todos que sofrem).
Maria é a apóstola incansável da misericórdia divina – com a permissão e o envio do seu Filho, Maria visitou inúmeras vezes os seus filhos ainda peregrinos neste mundo, o que podemos contemplar nas aparições que já gozam de beneplácito eclesial (Guadalupe, La Salette, Lourdes, Knock, Fátima etc.), convidando a todos a se aproximarem do “trono da graça” que é o seu Filho. Com o seu coração compassivo de Mãe, não poderia permanecer indiferente às mazelas dos seus filhos neste vale de lágrimas!
A Mãe de Jesus e nossa merece, portanto, ser honrada como Mãe da Misericórdia e Mãe de misericórdia!


Ó Maria, Mãe que experimentastes e gerastes a Misericórdia, Mãe que proclamais e exerceis a misericórdia, fazei de nós autênticos apóstolos deste mesmo mistério de amor em nossos tempos. Amém.