terça-feira, 2 de novembro de 2010

FESTA DE FINADOS








Olá irmãos! Deus seja louvado pelo dom de sua vida!
Hoje a Igreja comemora a festa de Finados, onde somos convidados a rezar pelos falecidos de nossa família e por outros, aqueles que não têm ninguém que reze por eles.
Se ontem fomos convidados para rezar pelos que já alcançaram a glória, hoje rezamos pelas almas do purgatório, aqueles que ainda esperam o dia de contemplar a Face do Senhor.
O Catecismo nos ensina que existe a Igreja Militante (que somos nós), a Igreja Gloriosa (que são os que já alcançaram o céu) e a Igreja Padecente (almas do purgatório).
Segundo nos ensina o Catecismo da Igreja Católica, “todos aqueles que morrem na graça e na amizade de Deus, mas não estão completamente purificados, embora tenham garantida a salvação eterna, passam, após sua morte, por uma purificação a fim de obter a santidade necessária para entrar na alegria do Céu. A Igreja denomina PURGATÓRIO esta purificação final dos eleitos, que é completamente distinta do castigo da condenação. A igreja formulou a doutrina da fé relativa ao Purgatório sobretudo no Concilio de Florença e de Trento.” (1030-31)
Sendo assim, purgatório é um estado da alma reconhecido pela Igreja, um grande gesto de misericórdia de Deus que, mesmo não merecendo o céu, concede a estas almas a graça de alcançar a purificação após a morte, garantindo a salvação eterna.
Portanto as almas do purgatório JÁ ESTÃO SALVAS, embora ainda não contemplem a glória de Deus, digamos numa linguagem figurada que estas almas estão no jardim, no pátio, na calçada, no quintal do grande Castelo do Rei Jesus... e este é o sofrimento que passam estas almas, o desejo, o amor por Deus e o impedimento de contemplar a Sua Face...
O Amor, então, é o fogo purificador das almas do purgatório.
Deus nos concede a graça de buscarmos o céu durante toda a nossa vida, através do nosso esforço pessoal, das nossas boas obras, mas, principalmente, do amor que temos a Jesus e Seus Divinos Planos e Vontade, a disposição sincera de cumprir esta vontade... enfim, o quanto vivemos o AMOR.
Esta é a medida do nosso julgamento: O AMOR! Amamos muito? Amamos pouco? Não amamos nada? Deus é quem sabe...
E é por isto que é o mesmo AMOR o objeto de purificação no purgatório.
Depois de nossa morte é descoberto todo o véu que nos separa da verdade e alcançamos o pleno conhecimento da Verdade, por isto sofremos no purgatório se amamos pouco, até porque tendo em mãos a nossa vida, sabemos quantas foram as oportunidades que Deus, na Sua infinita Misericórdia nos concedeu, durante a nossa jornada, para vivermos o AMOR e quantas foram as vezes que negamos este AMOR... a própria alma se acha indigna de entrar no Castelo do Rei e prefere e deseja mesmo ser purificada e, mais, é imensamente grata a Deus por permitir esta purificação.
Entretanto, se enquanto estamos vivos, temos a oportunidade de viver o Amor em sua plenitude e, bem assim, buscar dia a dia a nossa santificação e o desejado e esperado CÉU , depois de nossa morte, já não podemos fazer mais nada por  nós mesmos, dependemos da oração dos que ainda estão vivos, dependemos da caridade dos vivos, de suas orações e da renuncia de suas boas obras e orações para aliviar o sofrimento do purgatório e, ainda, para sair do purgatório.
Por isto rezamos pelas almas esquecidas porque, se estas não contam com a oração da Igreja Militante, ficarão no purgatório até o juízo final.
É gesto de grande amor e caridade, de grande doação e desprendimento oferecer orações e boas obras para salvar almas do purgatório uma vez que, repito, elas já não podem fazer mais nada pela própria libertação.
Muitas são as chances de aliviar o sofrimento das almas do purgatório, muitas são as oportunidades que podemos usar para salvar e aliviar estas pobres almas que nada mais podem fazer por elas mesmas.
Para se ter uma idéia um pequeno sorriso pode servir de sufrágio para as almas que deixaram de viver o amor por ter vivido o mau humor e, portanto, por terem sorrido pouco, até a maior riqueza que é freqüência da Celebração Eucarística com Amor e devoção, para as almas que deixaram de ira a missa ou que iam sem a verdadeira devoção...
Sendo assim, no nosso dia a dia muitas são as chances de ajudar estas pobres alminhas, mas é preciso que nos lembremos de fazer o oferecimento a Deus, porque senão as nossas boas obras se perdem... um pequeno sorriso que pode ser tão precioso para uma alma do purgatório, se não oferecido á elas, se perde aqui ...e, se um pequeno sorriso ajuda, imagina o que não é uma Ave-Maria, uma esmola, um terço, jaculatórias, momentos em frente ao Sacrário, Aspersão de água benta, jejum e abstinência, entre outras coisas, tudo, tudo, que for feito por amor e devoção sincera do coração ajuda as almas do purgatório.
Ah, mas, se eu ficar oferecendo meus bons gestos, minhas riquezas e tesouros espirituais, quando morrer, será que não vão faltar? Obviamente que não, se a medida do nosso julgamento é o Amor e se o Amor pela libertação das almas nos fez dar tudo o que tínhamos de bom, certamente Deus saberá recompensar-nos por isto e, se for o caso, não  deixará faltar quem reze por nós também.
São Luiz Maria de Monfort nos ensina que tudo devemos dar a Maria, todos os nossos bens espirituais e temporais, afim de que Ela distribua segundo a necessidade de seus filhos...
E se eu oferecer para alguma alma que já está no céu, o meu oferecimento fica perdido? Claro que não, pois no céu não existe acumulo de bens, a partilha é perfeita afim de que há ninguém falte e/ou sobre, então, esta alma que já esta salva, dará para outra, que necessita mais... Tudo fica mais fácil de submetermos o nosso oferecimento a Mãezinha, Ela saberá o que fazer com o seu bem espiritual.
É importante ainda, que saibamos que as almas do purgatório, apesar de não poder fazer nada por elas mesmas, podem fazer por nós, intercedendo junto a Deus pelas nossas necessidades, principalmente pela nossa santificação, ou melhor, pela nossa jornada para que nos leve ao céu.
Por esta razão podemos pedir a intercessão das almas do purgatório em nosso dia a dia, interceder por nós é também alivio e sufrágio para as pobrezinhas.
Aproveite este mês de novembro, que a Igreja dedica às almas do purgatório e, principalmente o dia de hoje, Festa de Finados, e ofereça as almas suas boas obras por experiência própria saiba que sentirá no coração uma profunda alegria e amor por poder ajudar almas que nada podem fazer por si mesmo, portanto, são pobres e totalmente necessitadas de sua ajuda...um simples sorriso, eu te convido, faça a experiência do AMOR!
Se for ao cemitério hoje e tiver água benta, aspergi durante sua caminhada, nos túmulos; leia os nomes dos mortos colocados nos túmulos, vá rezando o terço da Misericórdia, ou apenas, Ave-Maria por todos os fiéis defuntos enterrados no cemitério de sua visita, todos estes gestos são sufrágio as pobres almas...  gestos tão simples e fáceis para você e que  ajudam tanto as pobres alminhas e que trazem ao seu coração uma profunda paz e alegria!
Que Deus os abençoe!
PAZ!

Nenhum comentário:

Postar um comentário