quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Palavras ditas por Jesus após a sua Ressurreição, segundo São João.



Amigo de Deus, faltava o Evangelho de São João para postar, as Palavras, os Conselhos, que Nosso Senhor deixou antes de subir ao céu.
Por mais de uma vez, Jesus disse aos discípulos e também as mulheres :
 "A paz esteja convosco!"
Observou as lágrimas de Madalena e mostrou-se interessado em nosso sentimento.
Faz o envio dos apóstolos e unge-os para o Sacramento da Reconciliação. Institui este Sacramento.
Ainda, é no Evangelho de São João que Jesus nos pede para lançar as redes, para não desistir...Jesus mostra querer precisar da nossa ajuda, quando pede peixe para os apóstolos...
Nos exorta a fé e nos ensina que, para quem tem fé, nenhuma explicação é necessária e para quem não tem, nenhuma é possível, quando aparece para Tomé e se revela com as marcas da Paixão, alertando-nos, na pessoa de Tomé, de que crer na sua presença em nossa vida independe de vê-Lo com os olhos da carne.
Na verdade, assim nos exorta com relação a Eucaristia que somos todos "felizes" porque acreditamos em Sua Santíssima Presença na Hóstia Consagrada, mesmo que os nossos olhos não O vejam! Basta que nosso coração assim o faça!
Também, quando mostra a Tomé suas marcas da Paixão, demonstra a toda humanidade que o Santo Sacrifício é perpétuo, até a sua Segunda Vinda!
Finalmente, nos aconselha a não ficar preocupado com a missão do outro, cuidemos cada um de nós da sua própria, sem julgamento e comparações.
Vamos degustar suas frases, tão significativas para nossa vida de fé, frases que Ele pronunciou pouco antes de subir ao céu, por isto, tão importantes para nós!
Aprendamos a conhecer e desejar conhecer o Nosso Senhor, sempre, sempre, cada vez mais!
Aprendendo, então, com Ele, digo a vocês: A PAZ!

-Palavras ditas por Jesus, após a sua Ressurreição, segundo São João:

João 20,15 a 29:

"Mulher, porque choras? A quem procuras?"

"Maria!"

"Não me toques, pois ainda não subi ao Pai e vosso Pai, a meu Deus e vosso Deus!"

"A paz esteja convosco!"

"A paz esteja convosco!"

"Como o Pai me enviou, também eu vos envio!"

"Recebe o Espírito Santo. aqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhe-ão perdoados, aqueles aos quais retiverem serão retidos." 

"A paz esteja convosco!"

"Põe teu dedo aqui e vê minhas mãos! Estende tua mão e põe-na no meu lado e não seja incrédulo, mas crê!"

"Porque viste creste? Felizes os que não viram e creram!"

João 21, 5-22

"Jovens, acaso tendes algum peixe?"

"Lançai à rede à direita do barco e achareis."

"Trazei alguns dos peixes que apanhastes"

"Vinde comer!"

"Simão, filho de João, tu me amas mais do que estes?"

"Apascenta meus cordeiros."

"Simão, filho de João, tu me amas?"

"Apascenta minhas ovelhas."

"Simão, filho de João, tu me amas?"

"Apascenta minhas ovelhas."

"Em verdade, em verdade te digo: quando eras jovem, tu te cingias e andavas por onde querias, quando fores velhos, estenderás as mãos e outro te cingirá e te conduzirá onde não queres."

"Segue-me."

"Se eu quero que ele permaneça até que eu venha, que te importa? Quanto a ti segue-me."



terça-feira, 30 de agosto de 2011

Homilía do 22º Domingo do Tempo Comum - Ano A

Imagem de Destaque
Seja bem vindo...que bom que estamos juntos neste momento!
Onde quer que você esteja neste momento, cidade, estado, país, agora estamos tão próximos! É muito bom estarmos conectados, principalmente para falarmos de quem mais amamos: JESUS!
Estamos terminando o mês vocacional e em nossa paróquia Padre Mário José tem o costume de abrir o momento da Homilia para leigos fazerem a reflexão.
Domingo passado, como foi dia da catequista, fui incumbida de fazer a reflexão na última missa do dia, as 19:30hrs.
No mesmo dia, tivemos uma manhã de formação, que por sinal foi maravilhosa, para catequistas.
Segue, então, todo a reflexão que Nosso Senhor colocou em meu coração:


Liturgia da Palavra: 


1ª LEITURA  – Jer 20,7-9


Leitura da Profecia de Jeremias: "Vós me seduzistes, Senhor, e eu deixei-me seduzir;Vós me dominastes e vencestes.Em todo o tempo sou objecto de escárnio,toda a gente se ri de mim;porque sempre que falo é para gritar e proclamar:«Violência e ruína!»E a palavra do Senhor tornou-se para mimocasião permanente de insultos e zombarias.Então eu disse:«Não voltarei a falar n’Ele,não falarei mais em seu nome».Mas havia no meu coração um fogo ardente,comprimido dentro dos meus ossos.Procurava contê-lo, mas não podia."

SALMO RESPONSORIAL – Salmo 62 (63)

Refrão: A minha alma tem sede de Vós, meu Deus. "Senhor, sois o meu Deus: desde a aurora Vos procuro.A minha alma tem sede de Vós.Por Vós suspiro,como terra árida, sequiosa, sem água.Quero contemplar-Vos no santuário,para ver o vosso poder e a vossa glória.A vossa graça vale mais do que a vida;por isso, os meus lábios hão-de cantar-Vos louvores.Assim Vos bendirei toda a minha vida e em vosso louvor levantarei as mãos.Serei saciado com saborosos manjares,e com vozes de júbilo Vos louvarei.Porque Vos tornastes o meu refúgio,exulto à sombra das vossas asas.Unido a Vós estou, Senhor,a vossa mão me serve de amparo."

2ª LEITURA – Rom 12,1-2


Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos: "Peço-vos, irmãos, pela misericórdia de Deus,que vos ofereçais a vós mesmoscomo vítima santa, viva, agradável a Deus,como culto racional.Não vos conformeis com este mundo,mas transformai-vos,pela renovação espiritual da vossa mente,para saberdes discernir, segundo a vontade de Deus,o que é bom,o que Lhe é agradável,o que é perfeito."

EVANGELHO – Mt 16,21-27


Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus : "Naquele tempo,Jesus começou a explicar aos seus discípulos que tinha de ir a Jerusaléme sofrer da parte dos anciãos,dos príncipes dos sacerdotes e dos escribas;que tinha de ser morto e ressuscitar ao terceiro dia.Pedro, tomando-O à parte,começou a contestá-l’O, dizendo:«Deus Te livre de tal, Senhor! Isso não há-de acontecer!»Jesus voltou-Se para Pedro e disse-he:«Vai-te daqui, Satanás.Tu és para mim uma ocasião de escândalo,pois não tens em vista as coisas de Deus, mas dos homens».Jesus disse então aos seus discípulos:«Se alguém quiser seguir-Me, renuncie a si mesmo,tome a sua cruz e siga-Me.Porque, quem quiser salvar a sua vida há-de perdê-la;mas quem perder a sua vida por minha causa,há-de encontrá-la.Na verdade, que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro,se perder a sua vida?O Filho do homem há-de vir na glória de seu Pai,com os seus Anjos,e então dará a cada um segundo as suas obras".





Reflexão:
"Seduziste-me Senhor e eu me deixei seduzir. Foste forte demais para mim e me dominaste!"
A Primeira leitura traz o desabafo do profeta Jeremias em meio aos sofrimentos vividos pelo anúncio da Palavra. E meio a toda sorte de sofrimento, escárnios, tribulações, provações, injúrias, o profeta apresenta para Deus a sua queixa, mas incia com esta linda declaração de amor, como que dizendo: "Senhor estou enfrentando tantos sofrimentos, está tão difícil, mas o Amor que sinto por Ti, Senhor, é muito maior do que as dores que estes sofrimentos me causam, por isto, decido continuar, seguir adiante na minha missão!"
São Paulo, da mesma forma, ciente de todos os obstáculos e dificuldades e até sofrimentos que o anúncio da Palavra impõe, nos exorta a seguir adiante, a não se conformar com a maioria, a lutar pela transformação deste mundo, por Jesus, com Jesus e em Jesus único Caminho, Verdade e Vida.
O Catecismo da Igreja Católica, artigo 2, tomo 166, diz que o que impulsiona a verdadeira catequese é o amor por Jesus e por Sua Palavra...sendo assim, a verdadeira catequese só produz fruto de vida e transformação se for motivada pelo Amor à Jesus, á Sua Palavra, ao Seu Plano Salvífico.
E, o Plano Salvífico do Pai, no Filho, inclui o sofrimento, a cruz, a renúncia, o desapego!
Por isso Jesus repreende Pedro quando ele demonstra medo pelo sofrimento! O sofrimento faz parte do plano de salvação! Não existe SALVAÇÃO sem SOFRIMENTO!
Quando vemos no ofertório a gotinha de água sendo depositada no cálice com vinho, estamos vendo a nossa parte junto ao sofrimento de Cristo. Uma gotinha de água, só uma gotinha de água no oceano da Misericórdia, só isto Deus te pede!
E, quando nos aproximamos do altar para receber a Santa Comunhão, estamos dizendo para Jesus: "Senhor eu me comprometo com o Teu Plano de Salvação, eu me comprometo com a Tua Paixão, eu desejo fazer a minha parte!"
É, meus irmãos, o nosso Deus se esconde em nosso sofrimento. É o Deus escondido na Cruz! Este é o sentido do nosso sofrimento, precisamos dar sentido a ele para conseguirmos suportá-lo!
Você lembra qual foi a recompensa do ladrão que ao lado de Jesus, conseguiu perceber Deus escondido na Cruz? "Ainda hoje estarás comigo no Paraíso!" (Lc 23,43)
Eu particularmente sou muito devota da Via Sacra, costumo meditá-la com frequência, pois o Jesus que me conquistou foi o Senhor da Cruz. O Senhor que, mesmo sendo Rei, mesmo sendo Todo Poderoso, aceitou sofrer por mim, por você. Ainda que você fosse, ainda que eu fosse, a única pessoa deste mundo, ainda assim o Sangue Preciosíssimo de Jesus seria derramado na mesma proporção para nos salvar! 
Então eu te pergunto, meu irmão, minha irmã: Tem como resistir a tanto amor? Tem como ficar de braços cruzados diante de tanto amor? Não tem como!
"Seduziste-me Senhor e eu me deixei seduzir. Foste forte demais para mim e me dominaste!"
Eu preciso fazer a minha parte! Eu preciso dizer a este mundo que sou de Jesus! eu preciso lutar para transformar o mundo! Eu preciso renunciar a mim mesmo para seguir o AMOR e anunciá-Lo com todas as minhas forças!
Uma coisa também aprendi com a Via Sacra: o sofrimento de Jesus teve começo e fim. E este fim foi vitorioso. A vitória da vida sobre a morte! A ressurreição!
Aceitar a minha cruz, vivê-la como Jesus me ensinou na Via Sacra, na obediência, no silêncio, na confiança do Pai, na esperança do céu, na certeza da Ressurreição me garante a vitória e eu quero esta vitória na minha vida, na vida da minha família e você, quer?
Eu vi pela TV o Papa Bento XVI falando alguns jovens brasileiros em uma audiência: "Sejam testemunhas de Cristo no mundo!"
Neste domingo, encerrando o mês vocacional, dia do catequista, este é o eco que deve ressoar em nossos corações: o apelo que Jesus nos fez pela boca do Papa Bento XVI: Sejam testemunhas de Cristo no mundo!
Comece por você, na sua casa, no seu trabalho, na sua comunidade. Deixe-se ser impulsionado pelo Amor à Jesus e transforme o mundo, faça a sua parte: ela é preciosa e importante para Deus!
Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo!
Para sempre seja louvado!"

PAZ

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Sua vida reflete a imagem e semelhança de Deus?





Amado de Deus, seja bem vindo!
Em muitas passagens bíblicas Deus se coloca como fundidor, purificador.
Já há um tempo eu ouvi este história e fiquei maravilhada...
Passo agora a vocês esta verdade...
Vamos ler a Palavra:

Malaquias 3,3-4: "Sentado, o fundidor derrete a prata para beneficiá-la, assim também ele vai apurar os filhos de Levi, refiná-los como se fossem ouro ou prata, só depois poderão apresentar ao Senhor uma oferenda como convém. E, então, a oferenda de Judá e de Jerusalém será do agrado do Senhor, como acontecia nos tempos antigos, nos anos lá trás."

Ouvi, certa vez, que algumas mulheres, estudiosas da Palavra e desejosas de conhecer o que de fato Deus nos fala, resolveram procurar um fundidor de prata e ver de perto o processo de fundição.
Então, procuraram um ouríveres e marcaram um dia para vê-lo trabalhar. Observaram-no pegar um pedaço de prata e segurando-o no fogo para esquentar. Curiosas perguntaram para ele porque tinha que ficar segurando a prata. Ele explicou que era preciso segurar bem no meio do fogo, onde é mais quente para que as impurezas fossem queimadas.
(Deus não é assim conosco, amado de Deus, não nos segura as vezes durante bastante tempo em situações difíceis (quentes)? Não nos permite Deus viver a fornalha ardente em nossa vida, as vezes tão "quentes" que pensamos mesmo não suportar?)
Observando-o ainda, as mulheres perguntaram porque era preciso ele ficar o tempo inteiro observando e segurando a prata? Porque ele não podia se ausentar do processo de purificação do metal?
Ele explicou que não só ele tinha que ficar segurando a prata, como também era preciso que seus olhos estivessem fixos nela enquanto estivesse no fogo, porque, um minuto a mais no fogo seria suficiente para perder a qualidade do metal, deixaria de ser prata, seria destruido.
(Olhos fixos em nós...Deus mantém os olhos presos e fixos em nossa vida no momento em que estamos vivendo o fogo da purificação, a tribulação, para que a mesma seja na medida certa...não é lindo? Saber que Deus nos observa sempre não é para nós um alívio nos momentos difíceis?)
Por último as mulheres curiosas perguntaram ao fundidor?
Quando é que o senhor sabe que a prata está pura? Quando o senhor sabe que pode tirá-la do fogo?
Ele respondeu: " Isto é muito fácil, a prata está pura, quando eu consigo ver nela a minha imagem refletida!"
Que lindo! O sofrimento em nossa vida, o "fogo" tem como objetivo nos fazer a Imagem e Semelhança de Deus, precisamos deixar que as oportunidades de dor sejam para nós motivo de santificação...
Veja, amado de Deus, o pecado nos desfigura, perdemos a Imagem e Semelhança de Deus com a qual fomos criados.
Deus não tem outra forma de nos devolver esta "Sua Imagem" senão através dos sofrimentos...para quem sabe aprender com o sofrimento, para quem os vive com esperança e resignação, para estes, Deus se faz presente em sua vida...escondido mesmo em sua dor!
Mas, o mais importante, amigo de Deus, é que enquanto estiver sob as chamas do sofrimento, Deus contigo está, observando-te, segurando-te, com os olhos fixos mesmo em você até que em seu coração, em suas atitudes, enfim, em sua vida, a Imagem d'Ele esteja refletida!
Coragem.
Força.
Como Santa Tereza D'Avila digo:
"Nada te perturbe. Nada te amedronte. TUDO PASSA. A paciência TUDO alcança.
Para quem tem Deus nada falta, SÓ DEUS BASTA!"
Você tem Deus? Você comunga? Você escuta a Palavra? Você tem TUDO!
Então, nada te falta!
Portanto, nada de desespero. Nada de desânimo. Nada de medo.
Faça o que te é possível. O que está fora do teu alcance espera em Deus.
Logo, logo a tormenta vai passar e você sentirá a brisa suave chegar em tua vida.
Confia e espera. Deus está contigo.
Você é filho de Deus, levanta esta cabeça. Olhos fixos n'Ele, respira fundo e avante!
Estamos juntos neste caminho para o céu!!!

PAZ







quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Os 10 mandamentos para opor-se ao diabo...São Miguel, protegei-nos!



Seja bem vindo, querido filho e filha de Deus!
Muito oportuno este email que recebi, incentivando-nos a rezar a oração de São Miguel Arcanjo.
Aqui no blog, já postei artigo contando como foi elaborada pelo Papa Leão XIII esta oração exorcista e como este chefe da Igreja exortava o povo a rezá-la após a missa...
O tempo é propício...estamos na reta final...rezemos, queridos irmãos, rezemos sem cessar para não cairmos nas investiduras de satanás!
PAZ


Artigo do Padre José do Vale

Dom Thomas Paprocki, Bispo de Springfield (Illinois, EUA) autorizou que seja recitada em sua diocese, no final de cada Santa Missa, a Oração a São Miguel Arcanjo composta pelo Papa Leão XIII. Para isso, informa o jornal diocesano Catholic Times, foram distribuídos às paróquias cartões impressos, contendo num lado a oração e no outro uma carta de Dom Paprocki.


“Um dos maiores trunfos de Satanás em sua camuflagem, é a crença de que ele não existe”, afirmou o Bispo norte-americano. Quando não acreditamos “nas forças do mal ficamos incapazes de resistir a elas. Por isso, é bom lembrarmos a Oração a São Miguel Arcanjo” acrescentou.
Por determinação de Leão XIII, essa oração era rezada no final de cada celebração eucarística até o ano de 1965. “João Paulo II e Bento XVI exortavam os fiéis a rezá-la diariamente, sobretudo depois da Missa”, explicou Dom Paprocki.
“O Arcanjo Miguel quando disputava com o diabo, discutindo a respeito do corpo de Moisés, não se atreveu a pronunciar uma sentença injuriosa contra ele, mas limitou-se a dizer: o Senhor te repreenda!” (Judas v.9).
O Diabo Existe
Para alguns teólogos, religiosos, sacerdotes e algumas religiões e seitas o diabo em geral tem sido visto como uma relíquia da superstição: uma invenção humana. Por isso em 2002 o arcebispo de Genova, Dionigi Tettamanzi, um dos cardeais mais importantes da Itália, causou grande agitação com sua carta pastoral de 40 páginas sobre como opor-se ao diabo. A carta alista “10 mandamentos”.
Primeiro: “Não te esqueças de que o diabo existe”, porque sua “primeira impostura” é “fazer-nos crer que ele não existe”.
Segundo: “Não te esqueças de que o diabo é um tentador… Não penses que tu és imune ou invulnerável”.
Terceiro: “Não te esqueças de que o diabo é muito inteligente e astuto. Ele continua a ser insidioso por fascinar, como fez com o primeiro homem”.
Quarto: “Vigia os olhos e o coração. E sê forte: em espírito e virtude”.
Quinto: “Crê firmemente na vitória de Cristo sobre o tentador”, porque isso “te fará seguro e imperturbável mesmo diante do mais violento ataque que nos possa ser desferido contra ti”.
Sexto: “Lembra-te de que Cristo te faz participante de sua vitória”.
Sétimo: “Continua a escutar a Palavra de Deus”.
Oitavo: “Sê humilde e ama a humilhação”.
Nono: “Ora sempre, sem te cansares”, a fim de vencer a tentação.
Décimo: “Adora o Senhor, teu Deus, e somente a ele rende adoração”.

Com autoridade divina São Paulo Apóstolo afirmou: “Para o os incrédulos, dos quais o “deus deste mundo” obscureceu a inteligência” (2 Cor 4,4).  O apóstolo São Pedro escreveu, Satanás é “como leão que ruge, procurando a quem devorar”. (1 Pd 5,8) Não causa admiração que o apóstolo São João lembrasse aos cristão: “O mundo inteiro está no poder do maligno.” (1 Jo 5,19) É exortativo não ignorarmos os ensinamentos dos santos apóstolos de Cristo.
“Jesus Cristo se manifestou para destruir as obras do diabo” (1 Jo 3,8).

A ferramenta do Diabo
Foi anunciado que o diabo deixaria seus trabalhos e ofereceria suas ferramentas para qualquer um que deixasse pagar o preço.
No dia da venda, elas foram expostas de maneira atraente: malícia, ódio, maus desejos, inveja, ciúme, sensualidade, fraude…
Todos os instrumentos do mal estavam lá, cada um com o seu preço. Separada do resto, se encontrava uma ferramenta de aparência inofensiva que, apesar de estar usada, tinha o preço superior ao de todas as outras.
Alguém perguntou ao diabo o que era. É o desânimo, respondeu ele.
- nossa! Mas por que ela esta tão cara?


- “Porque”, respondeu o diabo, “ela me é mais útil do que todas as outras ferramentas”. Com ela, eu sei entrar em qualquer ser humano, e, uma vez no interior dele, eu posso manobrá-lo da maneira que melhor me convém.
“Essa ferramenta está usada porque eu a ultilizo quase todo o mundo e pouquíssimas pessoas sabem que ela me pertence”.
É supérfluo acrescentar que o preço fixado pelo diabo para o desânimo era tão alto que a ferramenta nunca foi vendida.
O diabo é sempre o proprietário, e ele continua a utiliza-la…
O Capitão Capelão Antonio Álvares da Silva (Frei Orlando), Patrono do Serviço de Assistência Religiosa do Exército (SAREx), disse com categoria: “Gente desanimada é gente vencida”.


Longe e bem longe do diabo e de sua ferramenta. Seguir o conselho do apóstolo São Tiago “Sujeitai-vos, pois a Deus, resistir ao diabo e ele fugirá de vos”. “Chegai-vos a Deus e ele chegará a vós” (Tg 4,7.8).

O bom Deus fala para nos: “Não temos, porque eu estou contigo, não fiques apavorado, pois eu sou teu Deus; eu te fortaleço sim, eu te ajudo” (Is 41,10).
Contra toda a cilada do inimigo e para uma vida vitoriosa a receita é: o estudo da Palavra de Deus, oração, jejum e a Santíssima Eucaristia."

Santos Incorruptos grande patrimônio de nossa amada Igreja Católica!

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Explicando a Virtude da Fé para as crianças...


Amado de Deus, sua visita é muito importante para mim e para Deus...temos um plano juntos (eu e Ele) de levar até você o Amor!
Sua vida é muito importante para Deus, não se esqueça que valeu o Seu Sangue Preciosíssimo!
Esta semana encontrei pela frente o desafio de falar para meus meninos sobre a Fé.
Sim, Catecismo da Igreja Católica, Hebreus 11, o nosso material é muito extenso.
Mas, Deus colocou em meu coração uma história que aconteceu comigo, quando era pequena...testemunho de vida que, na sua simplicidade, fala a língua do coração de criança.
Não me lembro bem minha idade, mas acho que tinha meus 08 para 09 anos.
Minha prima, cujo pai era delegado, em seu aniversário, ganhou uma boneca da qual eu fiquei apaixonada. A boneca era linda, tinha chupetinha e quando tirava ela chorava. Parecia mesmo um bebê, com roupinha de lã, sapatinho e vinha em um bebê conforto. Era uma boneca italiana que meu tio comprou de um conhecido que vendia brinquedos importados.
Fiquei apaixonada pelo bebê/boneca...pedi para meu pai: "Pai, no meu aniversário pode me dá esta boneca?" e meu pai disse: "Vou tentar!"
Para mim, vou tentar era SIM!
Então descansei ao longo dos meses, feliz esperando ansiosamente o dia em que meu bebê/boneca chegaria. Sempre lembrava meus pais deste compromisso..."meu aniversário está chegando, papai, já comprou minha boneca?"
E assim os meses foram passando até que chegou o grande dia...
Minha mãe, como  de costume preparou uma linda festinha para mim...ela super prendada, sempre fez tudo em casa...
Lembro-me bem que faltei da aula, para ficar na fiscalização dos preparativos e, principalmente, para esperar o grande momento em que meu pai chegaria com a boneca nos braços.
Passou a manhã, a tarde, meu pai chegou sem nenhum embrulho nas mãos.
Hora da festa e nada. Convidados chegando e nada. Parabéns e nada. Convidados indo embora e nada.
Confiando plenamente que papai cumpriria o que prometeu eu nada perguntei nem para meu pai e nem para minha mãe.
Ninguém tocou no assunto (tenho quatro irmãos) todos num silêncio absoluto sobre a boneca e nem eu ousei perguntar sobre meu presente. Confiava no meu pai.
Fui dormir. Lembro que estava dormindo no colchão porque cedi minha cama para minha tia. No meu travesseiro chorei no silêncio, sem fazer barulho, com dor no peito por não ter recebido a minha boneca e dizia para mim mesmo..."papai prometeu"... e lágrimas sem fim...mas tomei muito cuidado para ninguém perceber que estava triste.
Acontece que, depois que me deitei o vendedor de importados ligou para meu pai dizendo que a boneca havia chegado...meu pai, então, pegou o carro e foi até a casa dele para pegar a encomenda.
Como eu já havia dormido, ele colocou-a ao meu lado, sem fazer barulho para não me acordar.
Quando acordei a felicidade, lá estava a minha boneca tão esperada...corri para beijar meu pai e minha mãe, e estava explodindo de alegria pela promessa cumprida.
A fé é isto. Confiar plenamente que Deus é capaz de ouvir-Te, atender-Te, fazer-Te feliz...Acreditar que Deus tudo pode e que não te abandona nunca...mesmo que pareça já ter passado o tempo, Deus sempre dá um jeitinho para te socorrer...
Não foi assim com Maria e Martha na morte de Lázaro? Com Thalita? E tantos outros milagres que ocorreram depois do "dia fatal"...e Jesus, Ele mesmo, não ressuscitou após o terceiro dia? Não foi depois de ter sido sepultado que Ele apareceu aos seus amados?
A boneca veio. Meu pai cumpriu a promessa. E mesmo que a festa já tivesse terminado, a minha felicidade não diminuiu, ao contrário, foi maior em ver que, quando pensava que tudo estivesse acabado, meu pai me concedeu a alegria de ter meu sonho realizado...
Desde pequena Deus me ensina a experimentar o que é viver na fé, na confiança, na certeza de que Ele sempre está a nossa escuta...A espera confiante, paciente, silenciosa...a espera escondida em Deus...sim, querido de Deus, é importante que você se esconda no coração de Deus, enquanto vive na fé, na espera...assim como me entreguei ao choro no travesseiro, escondida de todos, assim também você, precisa entregar-se ao Sacratíssimo Coração de Deus, escondido n'Ele, chorar, entregar sua espera dolorosa, confiar, acreditar...O Sacratíssimo Coração será o seu "travesseiro" onde descansará a sua alma...
Então,amado de Deus, confia em Deus? Ofereça para Ele a sua fé, mesmo que seja do tamanho de um grão de mostarda, lembra, Ele mesmo se encarregará do milagre, pode ter certeza disto!
PAZ







quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Linda Experiência!


Multiplicação de pães e peixes
Amado de Deus,
Ontem tive uma experiência incrível, graças a bondade de Deus e quero partilhar.
Recebi na segunda feira a noite um telefonema de uma irmã me fazendo um convite muito especial para participar de um grupo de oração em uma casa de recuperação, no dia seguinte, na terça feira. Mas, não era apenas participar do momento, mas também, conduzir a Palavra. Disse sim. Não pensei, disse sim.
Perguntei o tema. Não tem, ela respondeu, fale o que Deus te colocar no coração.
Mas ela me alertou que nem todos seriam católicos, alguns crentes, outros ateus. Fale sobre Jesus e a Palavra de Deus, ela me orientou.
Pensei, primeiramente em meditar sobre Bartimeu.
Mas, em meu coração, Jesus falou forte para precorrer o milagre da multiplicação dos pães.
Durante o dia, a correria nos serviços de casa, depois no trabalho, sinceramente, não me permitiram parar para preparar como de costume...durante todo o tempo eu rezei: "Senhor, usa-me! Senhor vem em meu auxílio! Senhor são filhos necessitados do seu amor!" e assim o dia foi passando.
Terminado o turno da tarde a escola silenciou...então resolvi pegar o texto escolhido e meditar...
Deus foi falando em meu coração o quanto desejava atingir o coração daqueles filhos, machucados pelo vício, pela dor.
Quando chegamos na casa fomos recebido por um dos internos. Meu Deus, como meu coração foi ficando quente...parece que a batida do meu coração andava em compasso com a batida do Sacratíssimo Coração de Jesus que me dizia o quanto amava aqueles meninos...sentia como que se meu coração fosse pular da minha boca, tão forte o amor que Deus colocava em mim.
Sentei-me e, enquanto esperávamos a equipe de música, rezava no silêncio o Magnifica, entregando aquele momento aos cuidados da Mãe, rezei a oração de São Miguel, Santo Anjo, São Bento e assim, enquanto os demais conversavam eu procurava dentro de mim forças para conter este amor de Deus que pulsava tão fortemente em meu coração...temia tanto que este amor se derramasse em lágrimas, como sempre acontece..."Senhor, dá-me o equilíbrio necessário para este momento..."
Mas a unção, realmente, era enorme...olhava para aqueles rostos e pensava em suas vidas, em suas famílias, em suas lutas, em suas misérias..."Jesus, toca-os, é este o momento, Senhor, veja, eles são hoje a multidão cansada e faminta que espera o milagre!"
E o meu coração pulsava, cada vez mais forte...via, com os olhos da alma, o olhar do Senhor pousado em cada uma daquelas vidas: "Quero-os para Mim! Quero-os resgatá-Los! Seja o meu canal! Agirei pela sua boca! Não tenha medo, apenas fale o que eu te inspirar!"
Começamos o grupo com o louvor...uma das irmãs presentes nos convidou a fazer o louvor em uma só voz, cada qual louvando conforme seu coração e, de repente, quando as vozes começaram aparecer, a cachorra "Poli" começou a latir...Jesus falou: "Veja filha, até os animais entendem que o louvor individual é necessário...com este latido, Poli estava oferecendo ao Criador o louvor pelo dom da vida, pela providência!"
Depois deste momento, proclamei esta Palavra, alertando a todos como é agradável a Deus o louvor individual, que nosso Senhor quer ouvir a nossa voz. Precisamos falar, assim como nos ensinou e incentivo a Poli. Neste momento senti meu coração arder...senti a unção! Nossa, amado de Deus, como é bom!
Quando sinto a unção arder em mim, confesso, que sou capaz de qualquer coisa para espalhar o amor de Deus!
Todos rezaram por mim...muito bom!
Iniciei explicando que como catequista de crianças e adolescentes convidava a todos que me oferecessem um coração de criança para que através da linguagem que eu costumava falar, eles pudessem compreender o que tinha para dizer Nosso Senhor, tudo muito simples, porque Deus é simples. Falei que aceitei o convite que me foi feito pela Carina porque sou completamente apaixonada por Jesus! (E você, amado de Deus, também compartilha deste amor?)
E Deus falou por mim...e eles ouviram...
Depois o momento da partilha, meu Deus, quanta riqueza e posso dizer a vocês, amados de Deus, ganhei muito mais do que pretendia dar...
De fato,  atendi ao convite do "André" e pude oferecer os meus "cinco pães e dois peixinhos"...sou apenas uma menininha que faz parte da multidão necessitada e faminta e cansada...uma menininha que André
(Carina) conseguiu ver na multidão e convidou a fazer parte do milagre daquela noite...mas também me alimentei...foi realmente uma maravilhosa partilha.
Cada dia mais, amado de Deus, consigo perceber que está fora de moda viver aquela vidinha fútil, sem se preocupar com o outro...cada vez mais me surpreendo com as pessoas que despojadas resolvem oferecer o seu pouco para Deus operar o milagre da transformação, da multiplicação, da vida!
Que trabalho lindo daqueles irmãos que uma vez por mês, se dispõem a estar com aqueles internos e apresentar-lhes o Amor de Deus!
Cada vez mais eu percebo que de um pequenino SIM, Deus opera maravilhas! E operou, tenha certeza disto! Senti em meu próprio coração esta transformação! Aleluia!
Pela noite de ontem eu digo: "Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre. Amém!"
E você, amado de Deus, também faz parte da multidão necessitada? É um menininho ou menininha de Deus que estende as mãozinhas feliz, oferecendo o pouco que tem?
Pense nisto, o tempo urge! E você não pode ficar de fora do milagre! Seu nome está na lista de Deus, com certeza, se ainda não O ouviu te chamar, fique atenta, preste atenção aos acontecimentos em sua volta, certamente há algo para fazer!
PAZ



terça-feira, 2 de agosto de 2011

Oração São Pedro Julião Eymard



"Adoro-Vos, ò Divino Jesus, vivo e presente na Eucaristia, tesouro inesgotável dos dons celestes; fonte universal de onde o bem, a luz, as virtudes, a felicidade, a bênção, a perfeição e tudo que há de mais puro, belo e santo emanam e difundem-se na Igreja e nas almas.
Pela virtude dessa admirável plenitude, dignai-Vos, vo-lo peço, atendei as minhas humildes suplicas, afastai de minh' alma e de meu corpo os perigos a que estão expostos, e concedei-me a graça de que tenho premente necessidade. Com inabalável confiança vo-lo peço e, em retribuição de vossos benefícios, ofereço-me sem reserva para vos amar, servir e glorificar no adorável Sacramento da Eucaristia. Amém. 
São Pedro Julião Eymard, rogai por nós!"

Festa de São Pedro Julião Eymard, Favorecido desde criança com terna devoção ao Santíssimo Sacramento, foi fundador de duas congregações religiosas com o fim de prestarem adoração perpétua a Jesus Sacramentado.


Que bom que estamos juntos, amado de Deus...que bom que juntos podemos aprender a adorar Jesus Eucarístico com São Pedro Julião Eymard.Fiquei encantada ao conhecer um pouquinho de sua vida, sua família.São Pedro Julião Eymard, o Apóstolo da Eucaristia, foi construído por Deus com a ajuda de seus pais, católicos praticantes, mas principalmente de sua mãe que o levava diariamente a Santa Missa e a Adoração do Santíssimo Sacramento.
Aprendeu desde pequeno, com seus pais,  a reconhecer a presença de Jesus na Eucaristia e por este milagre fez da sua vida uma verdadeira ação de graças a este Deus que tanto adorou!
E ainda, era músico e poeta, compunha poesias e músicas para Jesus Eucarístico!
Vamos conhecer, então, um pouquinho de sua história?
Avante, coragem! Tenho certeza que ficará apaixonado ainda mais por Jesus!
PAZ

São Pedro Julião Eymard, o Apóstolo da Eucaristia.

Sua infância:
Pelas ruas da pequena cidade de Le Mure, perto de Grénoble (França), apareceu um modesto amolador de facas. Trazia pela mão uma menina de uns cinco anos de idade, pobremente vestida. Enquanto o pai amolava as facas, a pequena ia batendo de porta em porta, pedindo trabalho para ele.

O ar de inocência da criança e a maneira educada como falava, logo atraíram o interesse geral. Quem era ela? De onde vinham? E a mãe? Eram algumas perguntas que lhe faziam.

A menina, embora precocemente amadurecida pelas vicissitudes da vida, pôde dizer pouca coisa: seu pai chamava-se Julião Eymard; a mãe havia falecido havia pouco; dos seus cinco irmãos, os três mais velhos tinham saído de casa à procura de emprego; os dois mais novos foram deixados em casa de parentes; só ela tinha ficado para ajudar o pai em seu trabalho.

Marianinha, como se chamava, poderia ter acrescentado que Julião tinha sido um agricultor com certa fartura, antes de irromper a diabólica Revolução Francesa contra o Altar e o Trono. Como autêntico católico, fora perseguido, tivera que andar foragido e perdera tudo o que tinha. Com a morte da esposa, foi preciso dispersar a família e começar esse modesto trabalho de amolador para sobreviver.

O calor e simpatia que encontrou em Le Mure levou-o a nela radicar-se. Aos poucos abriu um negócio de funileiro, e mais tarde montou um lagar para extrair óleo de nozes, tudo muito rústico, mas que dava o suficiente para viver.

Mãe e filho com especial devoção eucarística:

A conselho do confessor, Julião contraiu novo matrimônio, com Maria Madalena Pelorse. E novos filhos foram vindo. Mas a esse convicto católico, Deus Nosso Senhor reservara sua Cruz: em menos de cinco anos, ele perdeu sete filhos, alguns de pouca idade.

Seria uma compensação o nascimento de Pedro Julião, em 4 de fevereiro de 1811? Numa família virtuosa, o menino desde cedo sentiu-se atraído para as coisas da Religião. Sua mãe, que assistia à Missa diariamente, começou a levá-lo com ela, como também às visitas diárias que fazia ao Santíssimo Sacramento. E o menino se mostrava muito comportado nesses atos.

Em Le Mure havia o piedoso costume de dar a bênção do Santíssimo Sacramento na intenção dos agonizantes. Maria Madalena levava então o filho ainda bebê à igreja e o erguia na hora da bênção suplicando ao Senhor que o abençoasse.

Quando mais crescido, nas sextas-feiras a mãe fazia-o dormir sobre palha, em vez de pô-lo a dormir no berço, em louvor da paixão de Nosso Senhor e para acostumá-lo a alguma mortificação.

Com o falecimento da mãe, coube à irmã acabar de criá-lo. Certo dia o menino, então com cinco anos, desapareceu. A irmã, depois de procurá-lo em vão por toda parte, teve a inspiração de ir à igreja. Quando olhou por detrás do altar, viu-o sentado quietinho na escada utilizada para colocar o Santíssimo Sacramento para exposição, o rostinho encostado no sacrário.

— O que você faz aqui? –– perguntou-lhe intrigada.

— A minha oração –– respondeu o menino.

— Mas, por que aí?

— Porque aqui estou perto de Jesus, e o ouço melhor.

Mais tarde, já adolescente, Pedro Julião passou a entregar o óleo preparado pelo pai na casa dos fregueses. Mas era tanta sua atração pelo Santíssimo Sacramento que, passando pela igreja paroquial, entrava sempre para fazer-lhe uma visita.

Antes de sua Primeira Comunhão, quando a irmã comungava, pedia-lhe que ficasse bem junto dele, para sentir a presença de Nosso Senhor na alma dela.

Missionário oblato de Maria Imaculada:

Foi com muita dificuldade que Pedro Julião obteve licença do pai para entrar no seminário e, depois de muitos percalços, ser ordenado sacerdote.

O caminho da Divina Providência, que dele queria fazer o apóstolo da devoção eucarística, passou por vários meandros. Sentia em si vocação religiosa, e acabou entrando para a Congregação dos Oblatos de Maria Imaculada, de fundação recente, que além da educação da juventude, dedicava-se também às missões rurais e acabava de mandar os primeiros missionários para a Oceania. Nessa congregação foi exercendo várias funções, mas não deixava de cuidar dos pobres e doentes, de maneira que passou a ser conhecido por eles como “o Santo”.

Um dia, em Lião, durante a revolução anarquista de 1848, o Pe. Eymard passava por uma das ruas da cidade quando deparou-se com um grupo de revolucionários.

— O quê?! Um padre por aqui? –– gritaram alguns.

––O padre ao Ródano! –– gritaram em coro vários deles, ameaçando jogá-lo ao rio, e avançaram para agarrá-lo.

Nesse momento um dos revolucionários gritou:

–– Mas é o Pe. Eymard!

A este nome todos pararam em silêncio, e depois gritaram:

–– Viva o Pe. Eymard!

E o puseram nos ombros, levando-o em triunfo até o convento.

Define-se a vocação de um grande fundador:

Em sua primeira viagem a Paris, o Pe. Eymard tomou contacto com a Adoração Perpétua e conheceu um judeu convertido, Ermano Cohen, que iniciara a adoração noturna dos homens. Nos meios eucarísticos, conheceu também um capitão de fragata, Conde Raimundo de Cuers, que depois seria seu auxiliar na nova congregação dos Sacramentinos.

Um dia o Pe. Eymard orava na basílica de Fourvière, diante do altar de Nossa Senhora. Assim descreve inspiração que lhe veio ao espírito nessa ocasião: “Estava rezando, quando se apoderou de mim um pensamento tão forte, que me absorveu a ponto de perder completamente todo outro sentimento: para glorificar seu Mistério de Amor, Jesus, no Santíssimo Sacramento, não tinha um corpo religioso que fizesse disso sua finalidade e a isso dedicasse todos os seus cuidados. Era necessário que houvesse um”. E quem tinha a graça para fazê-lo era ele próprio.

Quanto lhe custou para levar essa obra avante! Religioso, com os três votos, não era livre para dedicar-se inteiramente à obra que a Providência lhe pedia. E o superior geral dos Oblatos de Maria Imaculada não queria dispensá-lo dos votos, para não perder um tão útil elemento para sua congregação.

Pe. Eymard consultou o próprio Papa Pio IX sobre a possível futura congregação. Respondeu o imortal Pontífice: “A obra vem de Deus, estamos convencidos. A Igreja necessita disto: que se sigam todos os caminhos para tornar conhecida a divina Eucaristia”.

Finalmente o Pe. Eymard conseguiu dispensa dos votos. Com o Conde de Cuers, a essa altura ordenado sacerdote, deu início à Congregação do Santíssimo Sacramento. Ao arcebispo de Paris, que daria autorização para a nova congregação, explicou que “a nossa não é uma congregação puramente contemplativa. Nós fazemos a adoração, é certo. Mas queremos também levar outros a serem adoradores, e devemos nos ocupar das Primeiras Comunhões tardias. Enfim, queremos pôr fogo nos quatro cantos de Paris, que tanto necessita”. Entretanto, a vocação do verdadeiro adorador do Santíssimo Sacramento era, segundo ele mesmo, mais ampla: “Adorar perpetuamente Nosso Senhor no trono da graça e de amor, agradecer-lhe pelo inefável benefício da Eucaristia, tornar-se uma mesma vítima com Jesus Hóstia para reparação de tantos pecados que cobrem a Terra, exercer aos pés da Eucaristia uma missão perene de ação de graças e impetração pela Igreja, pela paz entre os príncipes cristãos, pela conversão dos pecadores, dos hereges, dos infiéis, dos judeus: eis o elemento perene da vida do religioso do Santíssimo Sacramento”.

E para sua concretização tinha se dedicado inteiramente: “Disse sim a tudo e fiz voto de dedicar-me até a morte à fundação de uma congregação de adoradores. Prometi a Deus que nada me deteria, devesse eu embora comer pedras e acabar no hospital. E, principalmente, pedi a Deus (e talvez fosse isto presunção de minha parte) trabalhar sem o menor conforto humano”.

Assim, no dia 22 de maio de 1856, dia de Corpus Christi — há 150 anos —, foi inaugurado o primeiro “cenáculo”, nome típico que o santo daria a todas as casas do Instituto. Fundou também a congregação das Servas do Santíssimo Sacramento, para a adoração perpétua.

Nas dificuldades, o apoio do Santo Cura d’Ars:

Quem muito ajudou São Pedro Julião com suas orações e incentivo, nas muitas dificuldades que teve que enfrentar, foi o Santo Cura d’Ars, com quem esteve mais de uma vez, e que dele falou a outros nos melhores termos.

O Pe. Eymard, que fora a Roma para tratar da aprovação canônica de sua congregação, teve um êxtase na Basílica do Vaticano, justamente no local em que deveria passar o cortejo pontifício. Pio IX, vendo aquele padre tão recolhido, fez sinal aos guardas que se desviassem e não perturbassem seu recolhimento.

Uma pessoa que conheceu bem o Pe. Eymard descreve-o assim: “Era de estatura mais bem alta, magro, ossudo; tinha uma face não propriamente bela, mas marcada com traços salientes, que a tornavam verdadeiramente escultural. A fronte era larga, os pomos salientes, os olhos celestes, um olhar profundo e límpido sob sobrancelhas bem definidas. O nariz reto, os lábios nem grossos nem finos, abertos num sorriso benigno”.

O Pe. Eymard compunha poesias e tinha dotes musicais. Tocava piano, violino e guitarra, tendo composto vários motetes eucarísticos.

Sobre as graças próprias ao fundador de uma obra, dizia ele a seus sacerdotes: “Não compreendeis o favor, a graça que o Senhor vos faz ao colocá-los junto da própria nascente do Instituto. Não me perguntais nada, não vos valeis disso. Eu também sou mortal, e quando não estiver mais aqui, nenhum outro terá as graças do fundador”. São Pedro Julião Eymard faleceu no dia 1º de agosto de 1868, aos 57 anos de idade.